Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



terça-feira, 18 de setembro de 2007

8ª Meia-Maratona de Portugal.

No passado domingo, dia 16 de Setembro, participei na 8ª Meia-Maratona de Portugal, prova com início no tabuleiro da ponte Vasco da Gama.
Simultaneamente decorreu a Mini-Maratona, prova não competitiva com aproximadamente 8 quilómetros de extensão.
Também na manhã do passado domingo decorreu o 14º Passeio Avós e Netos, no qual a Vitória e a avó Aida participaram, a mamã Isabel acompanhou-as e tirou as fotos. Este passeio teve início na porta Norte do Parque das Nações e terminou junto ao Pavilhão de Portugal, local de chegada das várias provas disputadas.
Esta Meia-Maratona de Portugal tem um significado especial para mim por ter marcado o meu "renascer" para a corrida faz agora cinco anos.
0
Foi com o objectivo de participar na "mini" da meia-maratona de Portugal, que no ano de 2002, voltei a correr com alguma assiduidade.
Nas 3 semanas anteriores à prova, na companhia da Isabel, ao fim da tarde, depois do dia de trabalho, íamos correr para o terreno que fica perto da nossa casa.
Chegámos ao dia da prova, que nesse ano decorreu no dia 29 de Setembro, com a preparação possível, suficiente contudo para nos ter permitido realizar o percurso a correr. Nos dias que se seguiram continuámos a correr…
Um ano mais tarde voltaríamos à ponte Vasco da Gama, a Isabel participou de novo na "mini" na companhia de alguns familiares e amigos, eu corri pela primeira vez a meia-maratona de Portugal, a qual terminei com o tempo de 1hora43minutos25segundos.
Meia-Maratona de Portugal que seria a última prova em que participei no ano de 2003.
Mas não mais deixaria de correr...
Voltando à prova do passado domingo, após a breve e rápida viagem desde a nossa casa em Corroios chegámos ao Parque das Nações ainda não eram oito e meia da manhã, depois de ter deixado ficar a Vitória, a Isabel e a avó Aida no local de partida do "Passeio Avós e Netos", estacionei o carro e, dirigi-me para a zona de onde saiam os autocarros que levavam os participantes para cima do tabuleiro da ponte.
Começou a chover quando o autocarro em que eu seguia já tinha acabado de percorrer todo o tabuleiro da ponte. De repente nem queria acreditar do que me acabava de lembrar, …tinha-me esquecido do chip!
Quando saímos do autocarro, já tinha parado de chover e, timidamente o Sol começava a fazer-se sentir.
Os meus pensamentos continuavam concentrados no chip. Como é que me fui esquecer do chip?
Entretanto cheguei à zona de partida onde constatei a impossibilidade de realizar o aquecimento face ao espaço disponível manifestamente insuficiente.
Já passava das dez horas da manhã e, aos poucos o Sol perdia a timidez.
Na minha cabeça continuava a soar:
- Como é que me fui esquecer do chip?
- Como é que me fui esquecer do chip?
Perto da hora de partida o Sol agora já afoito ameaçava dificuldades não esperadas até pouco tempo atrás.

A partida da 8ª Meia-Maratona de Portugal deu-se à hora prevista (dez e meia da manhã). Também os milhares de participantes na mini maratona começaram a essa hora, uns a correr, outros a andar, o percurso até ao Parque das Nações.
Eu parti calmamente, passei aos cinco quilómetros com 28 minutos de corrida, pouco depois já no IC2 na zona do primeiro abastecimento bebi alguns goles de água e, continuei a correr num ritmo que permitia-me correr com bastante facilidade, os quilómetros iam-se sucedendo, entretanto em sentido contrário começaram a passar alguns atletas da prova de deficientes motores em cadeiras de rodas (ouviram-se palmas), coloquei-me estrategicamente mais à direita, quase de imediato vi os batedores da policia e o carro do director da corrida (professor Mário Machado) e, logo depois um grupo de atletas (todos Africanos) que iam no comando da prova (tornaram-se a ouvir palmas), pouco depois começaram a passar a espaços outros atletas...reconheci muitos deles…enquanto continuei a correr também os ia aplaudindo.
Depois começou a diminuir o espaço entre os atletas até começarem a passar quase em pelotão compacto mas muito alongado.
Passei por mais uma zona de abastecimento, sem sentir necessidade de beber água continuei a correr, cheguei à placa que indicava o 10º quilómetro e, olhei para os 56 minutos que o relógio ai colocado marcava (o meu marcava um pouco menos), quase de imediato estava no ponto de viragem, tinha corrido os primeiros 10 quilómetros com muita facilidade (muito graças ao ritmo baixo da minha corrida), decidi então aumentar ligeiramente o ritmo e, quando passei ao 11º quilómetro ia já num ritmo a rondar os 5 minutos/quilómetro, o qual mantive nos quilómetros seguintes, esse ritmo um pouco mais rápido do que o anterior permitiu-me continuar a correr com bastante à vontade e, também ultrapassar mais frequentemente outros participantes.
Passei ao 15º quilómetro com 1hora e 20minutos de corrida, tempo indicado no relógio existente no local, no lado direito centenas de participantes da "mini" caminhavam ainda em direcção à zona de chegada.
Eu também continuei a correr e a sentir-me muito bem, fui passando muitos atletas que já seguiam com alguma dificuldade, depois de passar o 16º quilómetro achei que estavam mais pessoas a assistir, também comecei a ver muitos dos participantes que já tinham concluído a "mini", passei depois em mais uma zona de abastecimento (localizada por baixo da Gare do Oriente) onde aproveitei para beber mais alguns goles de água, foi nessa zona que achei que os aplausos foram mais intensos.
Faltavam poucos quilómetros para terminar a prova, eu continuei a correr sempre com muita gente por perto e, cheguei ao 19º quilómetro sem sentir qualquer dificuldade, mesmo sem aumentar o ritmo com que tinha vindo nos últimos quilómetros ultrapassava quase constantemente outros participantes, quando passei pela placa do 20º quilómetro aumentei então finalmente o ritmo e, só o empedrado já no interior do Parque das Nações me fez retrair de fazer, naquela longa recta final, um "sprint" ainda mais forte do que aquele com que terminei a 8ª Meia-Maratona de Portugal.
O relógio da prova marcava 1hora 51minutos e alguns segundos (1hora51minutos20segundos foi o tempo registado por mim).
Mesmo não constado na classificação esta foi uma prova que eu gostei bastante de fazer e, das três "meias" que eu já corri este ano aquela em que senti menos dificuldade.
Pouco depois reencontrei a Isabel e a Vitória, esta estava impaciente para me mostrar a pintura que tinha na cara, uma bonita flor. A avó Aida estava ainda na zona de chegada a ver se me via chegar...
Tirámos depois mais algumas fotos e, regressámos de seguida a casa.

Termino referindo, em minha opinião, os aspectos negativos desta 8ª Meia-Maratona de Portugal, que foram, a inexistência de condições que permitissem o adequado e necessário aquecimento a quem corre a prova da meia maratona, a inexistência de qualquer tipo de animação ao longo de todo o percurso e, o reduzido público ao longo do mesmo percurso (inexistente por motivos óbvios em grande parte do mesmo, tabuleiro da ponte e IC2).
Como aspectos francamente positivos, refira-se a disputa da prova para deficientes motores em cadeiras de rodas, a separação das partidas das provas da "meia" e da "mini" (se bem que existiam muitos "infiltrados" na zona de partida da meia maratona), um percurso bastante fácil e, o número bastante significativo, embora o mais baixo dos últimos 4 anos, de participantes na prova da meia maratona (2040 atletas classificados na meta).

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

31ª Meia-Maratona São João das Lampas.

Chegámos cedo a São João das Lampas, bonita e acolhedora terra do concelho de Sintra, onde no passado sábado, dia 8 de Setembro, participei na 31ª Meia-Maratona de São João das Lampas, a segunda mais antiga do país na distância, prova afamada pela dureza do seu percurso e por isso apelidada de Meia de São João das "Rampas".
Decidi a meio da semana correr esta prova…
Após levantar o meu dorsal, tempo para apreciar a exposição referente a edições passadas desta meia maratona.
Também apreciei bastante a revista da prova, gostei em particular de alguns relatos de quem correu esta "meia" em edições passadas.
Excelente ambiente festivo na terra, diversificada e bastante boa a animação do local de partida e chegada (a música, o malabarista, os saltos dos pára-quedistas, os tambores, a banda, a marcha…).
Bastante simpático a existência no local de um bonito insuflável para os mais pequenos, diversão sempre tão do seu agrado (a Vitória fartou-se de pular).
De salientar a justa e merecida homenagem que a organização desta prova decidiu fazer a dois atletas de verdadeira eleição, Carlos Capítulo (a título póstumo) e Lucília Soares, ambos vencedores em São João das Lampas por seis vezes (ambos com 4 vitórias em anos consecutivos).
Lucília Soares que mais uma vez alinhou à partida da prova deste ano classificando-se em 3º da geral feminina (1ª veterana).
0
A partida deu-se à hora prevista (17 horas) e após uma voltinha por algumas ruas de São João das Lampas, passámos de novo na zona de partida, para receber os aplausos do público, como dizia o speaker de serviço, público que não se fez rogado e aplaudiu com entusiasmo os atletas.
De referir que em simultâneo com a prova da "meia" decorreu a 4ª Mini Maratona, prova não competitiva com uma extensão de 5,5km.
Depois dessa fase inicial da corrida em clima de euforia e, após a saída de São João das Lampas seguiu-se uma longa descida, uma vista deslumbrante de campos que se estendiam a parecer não ter fim, campos que pareciam beijados suavemente por um Sol envergonhado e acariciados por uma brisazinha de fim de tarde.
Um fim de tarde que para mim estava a ser perfeito.
Perdido em contemplações chego à zona do primeiro abastecimento (ao longo do percurso existiram quatro abastecimentos com indicação prévia dos mesmos).
Após a descida, o inevitável, uma longa subida, também aqui uma vista esplêndida. Nesta fase seguia junto a um grupo de atletas que iam num ritmo idêntico ao meu.
Veio depois uma parte do percurso plano em que passámos por mais algumas terras, numa delas dois rapazinhos à beira da estrada de mãos estendidas à espera para bater nas mãos dos atletas.
Pouco depois outra imagem que também me ficou na retina, a do bebé que no seu carrinho de passeio assistia impávido e sereno à nossa passagem.
Ao longo do percurso sempre muitas pessoas na rua, à porta das suas casas, em grupos, sentados em muros em amena cavaqueira,…sempre muitos aplausos, sempre muitos incentivos ("até para o ano se Deus quiser" e "força, já falta pouco" são os que mais retive).
Muitos chuveiros ao longo do percurso disponibilizados pelas pessoas das terras, percurso certificado pela CNEC desde o ano de 1993, percurso que estava bem sinalizado e com os quilómetros marcados.
Na passagem por São João das Lampas, sensivelmente ao quilómetro 13, vejo a Isabel que me tira algumas fotos e que me diz que a Vitória está a brincar no coreto, olho para lá, chamo-a e, digo-lhe adeus.
Saio de São João das Lampas quando já chega à meta o vencedor desta meia-maratona, Peter Korir, atleta do Quénia, com o tempo "record" da prova de 1h05m01s, em femininos venceria Flora Kandie, também atleta do Quénia, também em tempo "record" de 1h15m23s.
No último terço da prova corri quase sempre só, fui sendo ultrapassado aos poucos por alguns atletas, senti alguma dificuldade a partir do 16º quilómetro, dificuldade que depois foi diminuindo com o aproximar da meta, onde cheguei ao fim de 1h49m16s de corrida.
Logo depois de cortar a meta recebi o beijo da Vitória.
O fim de tarde continuava, para mim, a ser perfeito…felizmente que há dias assim!
De seguida recebi uma medalha das mãos de uma simpática jovem, recebi também um saco que depois outros jovens igualmente simpáticos (elementos da marcha) iam enchendo com algumas lembranças.
O reencontro com a Isabel dá-se pouco depois, tempo para recuperar algum fôlego e, logo depois, mais umas corridinhas, agora com a Vitória (na tenda da Sportzone e no coreto).
Mais tarde, já de regresso ao carro, tivemos o prazer de conhecer pessoalmente a simpática Ana Pereira (A Maria Sem Frio Nem Casa).
0
Concluíram a prova da meia-maratona 254 atletas, 235 masculinos (92.58%) e 19 femininos (7.48%), atletas que foram "brindados" pela organização com treze (13) escalões classificativos (9 masculinos e 4 femininos).
Eu terminei no lugar 206 da geral e, no meu escalão (M45) em 40º, escalão no qual terminaram a prova 44 atletas.
Dos referidos 254 atletas que concluíram a prova houve 183 atletas (72.05%) que o fizeram até ao tempo de 1h45m de corrida, número elucidativo do bom nível geral competitivo atingido nesta exigente e belíssima prova.
Termino com uma referência às 3752 fotos em http://www.ammamagazine.com/ referentes a esta 31ª Meia-Maratona de São João das Lampas, fotos tiradas pelos colaboradores da "Atletismo Magazine Modalidades Amadoras".
Para o ano que vem há mais.