Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

21ª São Silvestre dos Olivais.

Em cima à esquerda: eu e o Veloso antes da prova.
Em cima à direita: zona de partida.
Em baixo à esquerda: fase inicial da prova.
Em baixo à direita: eu a terminar.
[clicar na imagem para ver melhor]

Participei na passada noite na 21ª São Silvestre dos Olivais, como habitualmente a prova foi organizada pela Junta de Freguesia de Santa Maria dos Olivais com o apoio técnico da Xistarca.
Não estava inscrito na prova mas por cortesia do Carlos Lopes e do Clube Recreativo Leões de Porto Salvo lá consegui um dorsal, o qual me permitiu encerrar o ano de novo nos Olivais.
Antes da prova deu para rever vários companheiros daqui da blogosfera.
Prova durinha e corrida em grande parte debaixo de chuva, parti de novo tal como na São Silvestre de Lisboa na companhia do meu cunhado Vitor Veloso, por volta do 4º quilómetro fomos apanhados pelo Andrade, de novo como em Lisboa perdi o Veloso pouco antes da 1ª légua, fiz pois a 2ª légua sozinho e terminei com 47'26'', tempo ligeiramente superior ao de Lisboa no passado domingo em que terminei com 47'01''.
1052 atletas terminaram esta 21ª São Silvestre dos Olivais, eu ocupei o lugar 361 da geral e o 46º lugar no meu escalão, M4549, o qual teve 151 atletas classificados na meta.

Termino assim este ano de 2009 em que participei em 33 provas nas quais corri 571 quilómetros, em 2010 há mais corridas.

Francisco Gravito, Adelino, Susana, Susan, Mota, os "Motinhas" Mariana e Luís Carlos, Mário Lima, Veloso, Isabel e eu, ou, "fechar" um ano de corridas com chave de ouro .
[Foto de Joaquim Adelino]

Aproveito para desejar a todos os que neste último ano foram passando por aqui um ano de 2010 cheio de Saúde, Trabalho, Amor e muitas corridas.
Grande abraço,
António Almeida

Classificações da 21ª São Silvestre dos Olivais.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

2ª Corrida El Corte Inglês São Silvestre de Lisboa.

Em cima à esquerda: a família já no Rossio.
Em cima à direita: durante a "corrida" da Vitória.
Ao meio à esquerda: na companhia da tia Ana e da família Mota.
Ao meio à direita: na companhia do Veloso, dos Mota, dos Ferreiras (pai, filho e neto) e companheiros.
Em baixo à esquerda: na companhia de 2 simpáticas animadoras ainda antes da prova.
Em baixo à direita: já depois da prova, com o Veloso, o Adelino, o Mota e os "Motinhas".
[clicar na imagem para ampliar]

Teve lugar durante a tarde do passado domingo a 2ª edição da Corrida El Corte Inglês São Silvestre de Lisboa, a qual foi organizada pelo Clube Olímpico de Oeiras em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa e o apoio técnico da HMS Sports Consulting.
Na linha da auspiciosa estreia da prova no ano passado (nunca antes uma corrida de São Silvestre em Portugal tinha tido tantos atletas classificados na meta), este domingo foram 3048 os atletas que completaram os 10 quilómetros da prova, número que supera largamente o da edição de estreia então com 1797 atletas classificados na meta.
De salientar também a excelente participação feminina na prova (412 atletas), uns excelentes 13,5 % do número total de atletas.
A prova teve como ponto de partida, de várias passagens e de chegada, a Praça do Rossio, tendo os atletas corrido em algumas das várias artérias nobres da baixa Pombalina, algumas das quais embelezadas pelas bonitas e sempre vistosas decorações de Natal.

Antes da prova principal, estreou a São Silvestre da Pequenada, prova destinada aos escalões de Bambis (crianças de 5 e 6 anos), Benjamins A (7 a 9 anos) e Benjamins B (10 a 11 anos), que correram respectivamente, 300, 500 e 700 metros.
Com esta 1ª edição da São Silvestre da Pequenada pretendeu a organização chamar a atenção de todos para a importância de praticar desporto no combate à obesidade infantil em Portugal, invertendo a tendência para o excesso de peso desde cedo que provoca doenças graves na idade adulta.
O dinheiro das inscrições da São Silvestre da Pequenada reverteu na totalidade a favor da instituição de solidariedade social Acreditar (Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro).
A Vitória participou na prova de Bambis na que foi a sua primeira participação numa prova de corrida depois de tantas participações em várias caminhadas na companhia da mãe.

Mais tarde, pouco depois das 18 horas, foi a minha vez de participar pelo segundo ano consecutivo na São Silvestre de Lisboa, apesar de estar bastante constipado e com problemas de alergia, parti ainda assim na companhia do meu cunhado Vítor Veloso com muita vontade de desfrutar em pleno da corrida, sem forçarmos muito lá fomos juntos até perto do 4º quilómetro, depois acabei por seguir sozinho, continuei nos quilómetros seguintes sem forçar muito e completei a prova de mão dada com a minha menina de ouro.
Demorei 47'01'' (ritmo de 4'42''/km) tendo-me classificado no lugar 759 da geral e no lugar 96 no meu escalão, Veteranos 2 (escalão em que terminaram 342 atletas).
Para mim foi uma excelente tarde de domingo, muita corrida, família e amigos, trinómio perfeito.
Daqui da blogosfera foi um prazer conhecer por fim o Joaquim Ferreira, igualmente um prazer rever o Pedro Ferreira, o Andrade, o Carlos Lopes, o Mota, o Magro, o Adelino, o Brito…

Fotos da tarde de domingo aqui e aqui.

A Vitória com os "Motinhas" Luís Carlos e Mariana.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Natal, e não Dezembro

Entremos, apressados, friorentos,
numa gruta, no bojo de um navio,
num presépio, num prédio, num presídio
no prédio que amanhã for demolido...
Entremos, inseguros, mas entremos.
Entremos e depressa, em qualquer sítio,
porque esta noite chama-se Dezembro,
porque sofremos, porque temos frio.

Entremos, dois a dois: somos duzentos,
duzentos mil, doze milhões de nada.
Procuremos o rastro de uma casa,
a cave, a gruta, o sulco de uma nave...
Entremos, despojados, mas entremos.
De mãos dadas talvez o fogo nasça,
talvez seja Natal e não Dezembro,
talvez universal a consoada.

David Mourão Ferreira

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Certificado da minha 1ª (e única) prova de marcha.


Domingo passado ao assistir a algumas provas de marcha veio-me à memória a única vez em que também eu participei numa prova de marcha, foi no dia 4 de Junho de 1978 e a prova foi organizada pela Direcção Geral de Desportos com partida da Praça do Comércio e chegada à Torre de Belém, prova que foi fortemente participada e em que cada um marchou o melhor que sabia e podia.

domingo, 13 de dezembro de 2009

52º grande prémio de Natal.

Durante a fria mas bonita manhã deste domingo participei no 52º Grande Prémio de Natal, prova que se revelou a prova mais mal organizada de todas em que já participei, nem nos meus tempos de corrida durante as décadas de setenta e oitenta do século passado tinha passado por uma situação como aquela que aconteceu na fase final deste dito Grande Prémio, claro muito menos nestes últimos sete anos desde que voltei a participar regularmente em provas.
Hoje de manhã os atletas que chegaram com mais de 40 minutos de corrida aos Restauradores (eu cheguei com um tempo a rondar os 41 minutos) não tiveram direito a passar a meta a correr, tiveram que aguardar numa fila pelo momento de passar a linha de chegada, sendo que só nesse momento era feita a leitura do chip e por conseguinte atribuído um tempo, o qual na melhor das hipóteses terá sido 4 ou 5 minutos superior ao efectivamente realizado pelo atleta, claro que com o passar do tempo de corrida a fila foi aumentando e essa diferença de tempo foi também aumentando, inacreditável, contado ninguém acredita.
Sem mais palavras.
Por mim depois de uma participação nesta prova durante a década de setenta do século passado na categoria de iniciado e depois desta de hoje de manhã terminaram as minhas participações nesta prova.

Ficam as fotos da Isabel e apesar de tudo coisas muito boas desta manhã de domingo, as participações dos "Motinhas" nas provas destinadas aos escalões jovens (o Luis Carlos foi 5º classificado na prova de corrida na categoria de infantis e a Mariana ganhou a prova de marcha no seu escalão) e o reencontro com amigos e companheiros daqui da blogosfera (Veloso, Mota, Mário Lima, José Lopes, Magro, Carlos Lopes) com o "bónus" de ter conhecido pessoalmente o Pedro Ferreira.

Restauradores, 9 da manhã.

Luis Carlos Mota, 5º classificado na prova de infantis masculinos.

Mariana Mota no lugar mais alto do pódio.

A foto das campeãs (Mariana Mota e Kristina Saltanovic).

Fase inicial da prova (foto de Joaquim Ferreira).

Eu a poucos metros da meta...que cortei quase 4 minutos depois.

Já parado e a nem acreditar no que estava acontecer.

A fila foi aumentando (a linha de chegada era no pórtico laranja).

E aumentando...

Luis Carlos, Susan, Magro, Isabel, eu, Veloso, Mariana, Mota e Mário.

Veloso, Mota, Pedro Ferreira, eu e Mariana.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Grande Prémio de Natal.

Organizado pela Associação de Atletismo de Lisboa juntamente com a SPORTZONE e com a colaboração da Câmara Municipal de Lisboa, realiza-se no próximo domingo o "52º Grande Prémio de Natal", prova que é a terceira mais antiga realizada no país, só superada em antiguidade pela "Estafeta Cascais-Lisboa" e pela "Volta a Paranhos".

O Programa do "52º Grande Prémio de Natal" é o seguinte:
09h45 – 2000 metros – Infantis (Masculinos e Femininos)
Partida: Avenida Fontes Pereira de Melo
10h00 – 2500 metros – Iniciados (Masculinos e Femininos)
Partida: Avenida da República (esquina da Av. João Crisóstomo)
10h30 – 4000 metros – Juvenis (Masculinos e Femininos), Juniores (Femininos) e Prova Aberta.
Partida: Entrecampos (junto à porta principal da antiga Feira Popular).
11h00 – 10000 metros – Prova Principal
Partida: Praça Duque de Saldanha
Percurso: após a partida a prova segue no sentido do trânsito, em direcção ao Campo Grande, contornando este, junto à churrasqueira, seguindo para Entrecampos, Av. da República, Saldanha, Av. Fontes Pereira de Melo, Praça Marquês de Pombal, Av. da Liberdade, Restauradores, Rossio, Restauradores (junto aos CTT), onde termina na meta que ai estará instalada, a qual será comum a todas as provas.
Este "52º Grande Prémio de Natal" inclui também a disputa de uma prova de marcha atlética com a distância de 5 kms nos principais escalões, a qual percorrerá a Av. da Liberdade e Praça dos Restauradores.
Fonte: www.gpnatal.com

Participei na década de 70 do século passado neste "Grande Prémio de Natal" então na categoria de iniciado (o percurso continua a ser exactamente o mesmo).
Há dois anos estive inscrito mas não consegui estar presente, há um ano a prova realizou-se no mesmo dia do I Meeting Blogger, motivo pelo qual também não consegui estar presente.
Este ano estou de novo inscrito e espero por fim estar presente no que será também um regresso às provas de 10 kms (a última foi há mais de 2 meses, Corrida de Sesimbra em 5 de Outubro) e às ruas da capital (depois daqueles 42 kms de domingo passado).
Para todos os que vão marcar presença desfrutem das ruas da capital libertas de carros (das buzinadelas isso já fia mais fino), acima de tudo divirtam-se.
Até domingo.

O meu dorsal para domingo.

24ª Maratona de Lisboa (III - Números).

Prova: 24ª Maratona de Lisboa.
Data: 6 de Dezembro de 2009.
Distância: 42,195 km.
Total de 1152 atletas classificados na meta, 1020 homens (88,5%) e 132 senhoras (11,5%).

Nota) O número de atletas estrangeiros que constam nos gráficos seguintes peca por defeito já que os dados a que recorri (classificações da prova) não me permitiram identificar sem qualquer dúvida os estrangeiros a correr em equipas portuguesas ou que tenham corrido como individuais.







quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

24ª Maratona de Lisboa (II - Palavras, "2ª parte").

A minha Maratona de Lisboa 2009:

Tal como há um ano não cheguei muito cedo à zona de partida, tal como há um ano tive de novo a companhia da Isabel, desta vez também a do Vítor que correu a meia-maratona.
Não chegámos cedo mas ainda assim deu para estacionar com relativa facilidade, beber um café e ainda antes da partida rever alguns amigos (daqui da blogosfera apenas o Mário Lima e o Fábio Pio Dias).

Quase de imediato foi tempo de me dirigir para a pista de atletismo onde se deu a partida da prova não que sem antes não fosse feito um minuto de silêncio em memória de Jorge Lopes, a voz das grandes vitórias portuguesas no atletismo, um apaixonado e profundo conhecedor do atletismo, minuto de silêncio a que se seguiu uma salva de palmas.
Fiz um primeiro quilómetro algo lento mas completei o segundo já num ritmo inferior aos 5'/km e já dentro do objectivo que previamente tinha traçado, nos quilómetros iniciais fui tentando não entrar em "loucuras" o que terei conseguido pois às passagens aos 5 e aos 10 quilómetros passei mais rápido que no Porto mas só ligeiramente.
Já após os primeiros 10 quilómetros comecei a vislumbrar o marcador de ritmo das 3h30', na altura pensei que seria um bom "farol" para chegar a bom porto.
Mesmo sem forçar acabei por me "colar" a esse pelotão que seguia a "bandeirinha" das 3h30' e segui-a também eu durante algum tempo, pelo meio passámos por mais um abastecimento e completámos os primeiros 15 kms da prova, ponto em que passei igualmente mais rápido que no Porto.
Pouco depois comecei a acreditar que podia baixar das 3h30', sentia-me extraordinariamente bem, decidi pois avançar a "solo" e adiantei-me ao numeroso pelotão das 3h30' (grande erro ou talvez não, penso que agi bem e se fosse hoje voltaria a proceder do mesmo modo).
À medida que os quilómetros se sucediam a confiança aumentava, sabia das dificuldades reservadas para a parte final da prova e por isso mesmo tentei gerir o esforço de modo a chegar esse ponto crucial da prova com alguns minutos a meu favor e por outro lado ainda com energia suficiente para esses quilómetros finais.
Ainda antes da passagem à meia-maratona ia "sonhando" com um tempo inferior às 3h30', parecia-me perfeitamente ao meu alcance, quase fácil.
Completei a "meia" num tempo que bateu (mais uma vez) o da maratona do Porto, em plena Rua do Ouro vi a Isabel que me tirou uma foto, de sorriso estampado no rosto passei por ela e comentei que ia rápido mas que me ia a sentir muito bem.
Seguiu-se a ida até ao ponto de retorno (junto ao Museu da Electricidade, antiga Central Tejo), parte do percurso que se revelou bastante complicada devido ao forte vento que se fazia sentir, parte do percurso em que me cruzei com muitos participantes que já voltavam desse ponto de retorno, muitos participantes da meia-maratona e também alguns maratonistas, daqui da blogosfera o 1º a passar foi o Capela (a participar na meia), pouco depois o Mota (na altura pareceu-me bem), também os companheiros da hora de partida (Vítor Veloso e Mário Lima), os incentivos esses iam sendo mútuos.
Nessa parte do percurso encontrei o António Bento que de bicicleta ia apoiando os participantes, enquanto continuei a correr o António seguiu algum tempo ao meu lado e trocámos algumas palavras (foi bom ver-te por ali companheiro).
Já depois de eu ter passado pelo ponto de retorno vi em sentido contrário ao meu o marcador das 3h30' ainda a ser seguido por muitos participantes, entre eles vislumbrei o Andrade e trocámos um aceno.
Pensei que após esse ponto de retorno ia ter o vento a ajudar mas nem sempre a ajuda foi tão forte como eu pensara, eu continuei a correr e ia vendo os participantes que iam em sentido contrário, vi passar a grande Analice, também o Magro, tentei ver o Joaquim Adelino, não o tinha visto antes da partida mas sabia que ele estava presente, por fim nas imediações do viaduto de Alcântara cruzei-me com ele e transmiti-lhe um forte incentivo.
Aos 25 kms e aos 30 kms passei com tempos inferiores aos do Porto e cheguei aos 36 kms ainda o meu relógio não marcava as 3 horas de corrida (no Porto passei com 3h02'), continuei a pensar que as 3h30' estavam ao alcance e na pior das hipóteses era já um dado adquirido que ia fazer melhor que no Porto.
Sabia que se seguia uma fase crucial numa prova como a maratona, também uma parte do percurso com dificuldades acrescidas, nessa fase ainda que sentisse e verificasse que os quilómetros se sucediam a um ritmo já superior aos 5'/km nunca quebrei verdadeiramente, ainda foi dando para continuar a ultrapassar muitos dos participantes, alguns dos quais seguiam a passo, cheguei à placa 38, altura em que comecei a achar que não ia bater as 3h30', aos 40 já tinha essa certeza, mesmo assim continuei a correr sem dificuldades de maior para além daquelas que resultavam dos quilómetros que já tinha corrido.
Foi precisamente à passagem pela placa 40 que o marcador de ritmo das 3h30' me alcançou, apenas 2 ou 3 eram aqueles que ainda o seguiam (entre eles 1 senhora que penso terá sido a 1ª do seu escalão), o atleta que seguia com a "bandeirinha" por essa altura tentou que os que estavam por perto ainda o seguissem dizendo que faltavam apenas 2 quilómetros, eu bem tentei mas à medida que continuava a correr ia vendo a "bandeirinha" cada vez mais longe.
Nessa fase da corrida passei pelo José Lopes (que estava a participar na "meia"), foi ele que me viu e chamou, virei-me e retribui o cumprimento de mais este companheiro da blogosfera.
A última descida da prova foi feita já a olhar para o "bónus" final, uma última subida que nos levaria até bem perto da chegada, a deslocação dos atletas que já iam fazendo essa subida denotava bem as dificuldades da mesma e do esforço despendido nas anteriores.
Também eu realizei essa última subida mais lento do que aquilo que desejava mas sempre num passo de corrida que considero ter sido razoável.
Subida feita, escassas dezenas de metros em linha recta e a entrada no estádio, as palavras de incentivo do José Alberto (que já tinha terminado mais uma "meia", mais uma das mais de 60 que já correu), já em plena pista de atletismo senti uma emoção muito grande, fechei os olhos e pensei na minha "menina de ouro", ouvi os incentivos da Susan dirigidos do exterior da vedação, senti-me ainda com a força suficiente para me colocar numa pista mais exterior e passar alguns dos participantes (muitos da "meia"), já na recta da meta vi a Isabel e o Vítor, cheguei perto deles, braços no ar, dedos das mãos desenhando o "V", a Isabel a tirar-me fotos, os dois a gritarem-me incentivos, vi o relógio cada vez mais perto, horas e minutos parados, 3h33', os segundos a correrem rápidos, passei a linha de chegada, feliz apesar de me ter faltado o brilho da Vitória, o meu tempo final foi 3h33'24'' (ritmo de 5'03''/km) tendo-me classificado no lugar 320 da geral e em 53º lugar no meu escalão, M4545, escalão em que terminaram 187 atletas.

Depois foi o saborear a conquista, o reencontro com a Isabel, com o Vítor, com outros companheiros daqui da blogosfera, com o Mota que há muito já tinha terminado, aplaudir ainda os que iam chegando (Nuno, Andrade, Magro, Adelino,…), com familiares destes (um prazer enorme conhecer parte da família do meu companheiro da minha 1ª maratona), dar os parabéns à Susan que fazia anos, dar um abraço ao meu pequeno grande amigo Luís Carlos, partilhar as broas que a Isabel tinha comprado na baixa, o dizer até um dia destes numa corrida por aí, voltar feliz a casa.

Como diz o Adelino, há sempre uma história para contar, esta foi a história da minha Maratona de Lisboa 2009.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

24ª Maratona de Lisboa (II - Palavras, "1ª parte").

Na manhã do passado domingo decorreu nas ruas da capital a "24ª Maratona de Lisboa", evento que incluiu uma prova de corrida com a mítica distância dos 42,195 km, uma estafeta por equipas (formadas por 4 atletas) na distância da maratona, uma prova de meia-maratona e uma prova não competitiva denominada corrida da família com uma distância a rondar os 6,400 km.
O evento foi organizado pela Xistarca em colaboração com a Associação de Atletismo de Lisboa e contou com os apoios da SEASIDE, Fundação INATEL e Câmara Municipal de Lisboa.
O local de chegada das várias provas foi na pista de atletismo do Estádio 1º de Maio, pista de atletismo que foi também o local de partida da maratona, do 1º percurso da estafeta e da corrida da família (provas que tiveram o seu inicio pouco depois das 9 horas da manhã), a prova da meia-maratona teve a sua partida na Praça do Comércio por volta das 10h30.

Pelo 2º ano consecutivo a prova da maratona registou mais de 1000 atletas na meta (1152 este ano, 1005 há um ano), sendo que 2008 e 2009 são os únicos anos em que a fasquia "1000" foi ultrapassada.
Dos 1152 atletas deste ano tivemos 132 senhoras (104 estrangeiras e 28 portuguesas), 12,5% do número total e 1020 homens (602 estrangeiros e 418 portugueses), 88,5% do número total.
O mais rápido no sector masculino foi o atleta Vasco Azevedo (já vencedor em 2007) em representação do Boavista F.C. com o tempo de 2h20'41'', já no sector feminino a mais rápida foi a atleta russa Yulia Mochalova com o tempo de 2h40'44''.

De referir que a prova da meia-maratona registou 1150 atletas classificados na meta e a prova da estafeta registou 67 equipas classificadas e um nível competitivo muito baixo (apenas 38 equipas "bateram" as 3h30').

Que a partida da prova da maratona foi algo confusa, também que outras coisas estiveram menos bem nesta 24ª Maratona Seaside de Lisboa, já foi amplamente focado, subscrevo também eu muitas dessas críticas, destacando das mesmas aquela que nem foi a mais falada mas que para mim é o "calcanhar de Aquiles" desta maratona de Lisboa, a realização em simultâneo com a prova da maratona de outras provas (meia-maratona e estafeta) que na minha opinião descaracterizam a prova principal e que em nada contribuem para o aparecimento de novos participantes, antes pelo contrário.
A continuar assim o número de atletas classificados na meta até pode continuar a aumentar mas dificilmente será à custa dos habituais participantes portugueses do nosso pelotão, esses na sua grande maioria a aventurarem-se num prova como a maratona vão continuar a dar preferência às provas realizadas fora de Portugal.
Uma palavra de destaque para os estrangeiros não participantes nas provas mas que ao longo do percurso fizeram a festa, especialmente espanhóis e franceses (aqui algo muito parecido com o que aconteceu na última Maratona do Porto).
A 24ª Maratona de Lisboa é passado, venha a edição dos 25 anos e com ela uma maratona ainda melhor.

Fase inicial com o pelotão ser comandado por atletas da estafeta (3 dos 4 primeiros).

[ Foto de Isabel Almeida ]

(continua)

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

24ª Maratona de Lisboa (I - Fotos).

Pouco depois da passagem à meia-maratona (Mota, Almeida e Magro):

A poucos metros de terminarem (Nuno, Andrade, Analice e Adelino):

[ Fotos de Isabel Almeida ]

domingo, 6 de dezembro de 2009

3:33:24

Foi o tempo da minha 4ª maratona, a 2ª em Lisboa, também a 2ª no espaço de um mês depois da maratona do Porto em 8 de Novembro passado, durante o decorrer da prova pensei mesmo que podia acabar com um tempo sub3h30' mas devido em parte ao forte vento que se fez sentir em parte do percurso que se revelou "durinho" q.b. não me permitiu atingir esse objectivo, o qual não era por mim à partida como o principal nesta maratona, esse, o principal (repetir o que tinha feito bem no Porto e corrigir erros que tinha identificado) foi totalmente atingido pelo que estou extremamente feliz.
Em breve voltarei a falar desta Maratona de Lisboa.

Eu com a Isabel já depois da prova.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009


Já levantei o meu dorsal, resta agora aguardar pelas 9 horas da manhã do próximo domingo.
A poucas horas de mais uma maratona corrida em Portugal, a única que já teve mais de 1000 atletas classificados na meta, o que sucedeu na anterior edição (2008), muito à custa da forte participação de estrangeiros, o que tudo indica se repetirá este ano, gostava de destacar 2 outros pontos:

I)
O número de "repetentes" que correrão a Maratona de Lisboa depois de terem feito a do Porto no passado dia 8 de Novembro, são mesmo bastantes.
Daqui da blogosfera os "repetentes" serão o Adelino, o Andrade, o Magro, o Mota e o Nuno Kabeça.

II)
"Componente social associada à prova
A Maratona Seaside de Lisboa 2009 vai ter ainda associada uma importante componente social. Com efeito, a Fundação INATEL, a organização da prova, o Projecto Viva e o Lidl vão apoiar o acesso permanente à água potável através da abertura de um furo artesiano na região de S. Domingos, na Guiné-Bissau.
O primeiro passo para este projecto vai ser dado por Maria Buien na maratona. Esta senhora que reside na referida região de S. Domingos, irá caminhar em representação da restante população a distância da maratona. Esta marcha simbolizará o esforço das mulheres que percorrem a distância equivalente a uma maratona para terem acesso às coisas mais básicas como a água potável.
No dia seguinte à maratona, os cidadãos vão poder fazer os seus donativos em qualquer loja do LIDL, através da garrafa do Projecto VIVA.
Uma garrafa de 1,5l vazia estará ao lado de caixa registadora. Esta garrafa vazia simbolizará a dificuldade de acesso à água potável na Guiné-Bissau.
Ao registar a garrafa nas caixas LIDL contribuirá com um euro para a abertura dos furos artesianos."
Nota) Este ponto II tem como fonte o site da Revista Atletismo.

Para todos os que participarão nas várias provas englobadas nesta 24ª Maratona de Lisboa votos de boas provas e uma boa manhã de domingo.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Últimos treinos antes de Lisboa (e outras corridas em Dezembro).

No passado domingo foi dia do meu último longo antes de Lisboa.
Treino com chuva, muito vento e num percurso de sobe e desce, pela amostra a manhã do próximo domingo não vai ser nada fácil já que as condições atmosféricas não devem ser muito diferentes.
Antes do meu treino disse à Isabel que ia correr durante várias horas, muitas horas, que era algo que eu já planeava fazer há algum tempo, a Isabel ainda ficou na dúvida se eu estava a falar a sério ou a brincar, pelo sim pelo não mandou-me levar o telemóvel.
Claro que estava a brincar (a uma semana da maratona só podia) mas confesso que cada vez mais o prazer maior que retiro da corrida tem a ver com sair de casa, mochila às costas e correr, correr, correr….

Ontem o último treino antes de Lisboa, de novo com chuva ainda que sem vento, noite já feita e no terreno onde habitualmente corro durante a semana, treino calminho, apenas 1 hora a pisar ovos e os restos da muita chuva que tem caído nos últimos dias, 1 hora que me soube mesmo muito bem, sentia-me capaz de correr a noite toda.

Com estes dois treinos termino um ciclo de 4 semanas iniciado após a Maratona do Porto em 8 de Novembro e que me levarão na manhã do próximo domingo a completar a minha 4ª maratona, a 2ª vez em Lisboa repetindo a minha presença de 2008.

Em Dezembro voltarei ainda a correr em Lisboa, no domingo seguinte ao da maratona (dia 13) em que muito provavelmente voltarei a participar no grande Prémio de Natal (participei na década de 70 então como iniciado) e na tarde do último domingo do ano (dia 27) em que só um caso de força maior me impedirá de estar na 2ª Silvestre de Lisboa repetindo igualmente a minha presença de 2008.
Neste Dezembro de 2009 correrei também pela primeira vez numa prova fora de Portugal, pelo que já disse fácil se torna concluir que o destino é Sevilha, a companhia essa será "5 estrelas".

Na última semana do ano iniciarei novo ciclo que me levará a cortar a linha de chegada de mais uma maratona, a minha 5ª e a 1ª fora de Portugal (será em Espanha).