Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



quinta-feira, 31 de março de 2011

Respiro o teu corpo

Respiro o teu corpo:
sabe a lua-de-água
ao amanhecer,
sabe a cal molhada,
sabe a luz mordida,
sabe a brisa nua,
ao sangue dos rios,
sabe a rosa louca,
ao cair da noite
sabe a pedra amarga,
sabe à minha boca.

Eugénio de Andrade

domingo, 27 de março de 2011

8ª Corrida ISCPSI/APAV e Marcha das Famílias

Teve lugar hoje de manhã a 8ª Corrida de Solidariedade ISCPSI/APAV e Marcha das Famílias, evento que consistiu numa prova competitiva de 10 km e numa caminhada sem cariz competitivo de 3,5 km.

O evento teve uma organização conjunta do Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna e da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima e teve como objectivo do mesmo a angariação de receitas que reverteram na sua totalidade para a APAV, instituição sem fins lucrativos e de voluntariado, que tem como missão social apoiar as vítimas de crimes, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais e contribuir para o aperfeiçoamento das políticas públicas, sociais e privadas centradas no estatuto da vítima.

Há dois anos a família esteve presente e ficou com muita vontade de regressar, há um ano não nos foi possível estar presentes, este ano e ainda que sem fazermos um "pleno" já que só eu é que participei a família voltou a estar presente. Tal como há dois anos voltei a casa com muita vontade de regressar para o ano. Por fim o que menos importa, concluí os 10 quilómetros em 46'32''.



Site da APAV

terça-feira, 22 de março de 2011

segunda-feira, 21 de março de 2011

Amor é fogo que arde sem se ver

Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar-se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor?
Luís Vaz de Camões Nota) Neste Dia Mundial da Poesia palavras escritas no século XVI por Luís Vaz de Camões, das que eu mais gosto de tantas que foram escritas pelo poeta.

domingo, 20 de março de 2011

Treino longo (misto solo/meia de Lisboa).

Hoje foi dia de mais um treino longo, estive indeciso até ontem ao fim do dia entre um treino a "solo" ou um misto "solo/meia de Lisboa" mas lá me resolvi pelo misto.
Comecei às 7h45' a solo, até às 9h corri aproximadamente 13 quilómetros, depois como combinado com o Veloso segui já na sua companhia para mais 10 quilómetros, nesta primeira parte do treino que totalizou 23 quilómetros, 2 pequenas pausas, uma das 9h até às 9h10' e uns minutos antes do início da meia maratona de Lisboa.
Na 2ºparte do meu treino como previsto participei na meia-maratona de Lisboa (demorei um pouco menos de 2 horas).
Para um tempo total de corrida de 4h25' corri 44 quilómetros.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Treino Longo de 45 km.

Ontem foi dia de mais um treino longo, tinha à partida como objectivo para o mesmo subir um pouco a fasquia em relação ao último (os 42,2 km da passada terça-feira) pelo que embora estivesse apreensivo com os escassos 4 dias passados desde então pretendia pelo menos chegar aos 45 quilómetros.
Antes de iniciar o treino vi-me sem o "garmin" que não quis ligar (ainda tenho que ver o que se passa com ele), na dúvida entre adiar o treino para a tarde ou correr sem "garmin” decidi-me por não adiar ainda que redefinindo um novo objectivo, 5 horas de corrida contínua lenta (que deveriam dar para cobrir a totalidade do percurso) recorrendo-me do relógio do telemóvel para ir controlando esse mesmo tempo de corrida.
Comecei às 8h45', apesar de correr sem a preocupação de olhar o relógio acabei por conseguir manter um ritmo certo, quer nos 2 primeiros troços do percurso (2x16,5 km) que totalizaram 33 km e que foram corridos em 3h30' (na passa terça-feira para a mesma distância fiz 3h14' na companhia do Veloso e do Parro), quer na fase final do treino (na 1h15' seguinte) em que corri 12 km.
Para um tempo total de corrida de 4h45' corri 45 quilómetros.
No próximo a certeza de que fasquia vai voltar a subir, apenas a dúvida se vai ser de novo um "solo" se um misto "solo"/Meia de Lisboa.

terça-feira, 8 de março de 2011

Treino Longo de 42 km.

Hoje foi dia de treino longo, nos 33 quilómetros iniciais na companhia do meu cunhado Vitor Veloso e do Luis Parro, depois a solo nos 9 quilómetros seguintes até atingir a distância da maratona.
Em homenagem ao pirata-mor Parro apresentei-me à partida com um lenço na cabeça de pirata, sempre em amena cavaqueira e com alguma chuva à mistura despachámos em pouco mais de 3 horas os 33 quilómetros de ida e volta de Corroios até às imediações das instalações da Nato (já para além da Fonte da Telha) passando pela Verdizela.
Depois de uma breve passagem por casa para abastecer e treinar também os abastecimentos sólidos segui para a fase final do treino, os pouco mais de 9 quilómetros até perfazer a distância de uma maratona.
Foi um bom treino longo para os objectivos que se avizinham, no próximo a fasquia tem que subir.
Um grande obrigado ao Veloso e ao Parro pela companhia e por terem tornado este meu longo bem fácil.

segunda-feira, 7 de março de 2011

II Trail de Conímbriga Terras do Sicó (Palavras "continuação").

Da Aldeia do Poço ao 2º abastecimento (Fonte Coberta):
Saí em bom ritmo até porque sabia que não era para durar muito pois também sabia a subida que nos esperava pouco depois, assim que o terreno empinou passei a caminhar, à medida que íamos subindo alargava o campo de visão que os nossos olhos alcançavam, já lá bem em cima abriu-se o campo para correr, passei pelo marco geodésico, saboreei avidamente tudo aquilo que os meus sentidos me iam transmitindo, a sensação do céu ali tão perto, logo depois uma longa descida com muita pedra à mistura durante a qual fui ultrapassado por alguns atletas, após a qual se seguiu uma fase praticamente plana e por carreiros onde dava para correr a um bom ritmo, em menos de nada estava a chegar à zona do 2º abastecimento (Fonte Coberta).
Bebi isotónico e segui.

Da Fonte Coberta ao 3º abastecimento (Serra de Janeanes):
Quase de imediato cheguei à zona de separação das provas, continuava a ter outros companheiros por perto, algo que sucedeu durante a quase totalidade dos quilómetros corridos.
Pouco depois numa nova subida bem acentuada passei a caminhar, tentei manter um ritmo vivo, à minha frente ia vendo muitos dos que iam progredindo no terreno, em fila indiana quase todos seguiam a passo, já no topo era vê-los a retomarem o passo de corrida.
Assim que o terreno o permitiu retomei também eu a corrida e na fase seguinte aproveitei vários troços que o permitiam, alguns dos quais a descer, para esticar ao máximo pois sabia que estava para vir outra subida já que o abastecimento seguinte seria em plena Serra de Janeanes, como já esperava, pouco depois o terreno voltou a empinar, voltei a caminhar, na fase inicial por um carreiro entre muros de pedras, mais tarde e já no interior na Aldeia de Janeanes embora pudesse correr sem problemas de maior optei por continuar a caminhar até chegar à zona do abastecimento pois sabia-o bem perto pelas vozes que lá vinham.
Fui recebido com os incentivos da Dina e da Eliana, recordo-me da frase desta, "não dá mole mundo da corrida", sorri na altura, parei, peguei num copo de isotónico e fugi para a sombra junto à carrinha lá estacionada, olhei a encosta que já tínhamos feito, continuavam a chegar participantes, recebidos em festa, recebidos com uma mesa bem recheada, bebi mais um copo de isotónico e retomei a prova.

Da Serra de Janeanes ao 4º abastecimento (Casmilo):
Dava para ver que íamos continuar a subir pelo que decidi continuar como tinha vindo até então, a passo mas tentando manter um bom ritmo de progressão, por fim mais um topo conquistado, o do moinho, mais vistas deslumbrantes.
Seguiu-se depois um trilho bem rápido se bem que para mim com toda aquela pedra à mistura não foi fácil tirar proveito disso, trilho longuíssimo, como quase sempre me acontece nas descidas fui ultrapassado por alguns participantes, também como sempre quando dava para esticar tentava recuperar algum tempo o que terei conseguido na fase seguinte da prova em que corremos por carreiros entre muros de pedra já que consegui "encostar" a um numeroso grupo de participantes e segui junto deles até à zona do abastecimento, o de Casmilo.

De Casmilo ao 5º abastecimento (Peixeiro):
Logo depois segui num bom ritmo aproveitando esse troço do percurso que assim o permitia e antecipando que o que estava para vir ia-me obrigar de novo a caminhar.
Como esperava em menos de nada estava a fazer a longa subida até ao ponto mais alto da prova, o santuário da nossa senhora do círculo, ainda assim uma subida que embora bem extensa acabou por se revelar menos dura do que esperava, uma subida que se revelou também para mim um dos troços do percurso de que mais gostei.
Cheguei ao topo onde existia um controlo da passagem dos participantes naquele ponto, logo depois seguiu-se a inevitável descida, a qual fiz num bom ritmo, terei mesmo exagerado um pouco.
Pouco depois comecei a ouvir a "buzina" da Iolanda que sabia que estaria no próximo abastecimento, abastecimento onde cheguei isolado e onde não estive muito tempo.

De Peixeiro à linha de chegada (Condeixa-a-Nova):
Logo após ter saído desse último abastecimento e até à meta fui tendo a companhia do Francisco Bossa (do Mundo da Corrida), também fomos passando por muitos dos caminheiros.
Fase final que ainda teve uma parte "espinhosa" com uma passagem por uma zona com muita silva e quase sem definição do trilho a seguir.
Já na recta da meta a certeza que não teria a Vitória para juntos conquistarmos mais uma meta, logo depois passei a linha de chegada destes meus primeiros trilhos por terras do Sicó.
A terminar dizer que a Isabel colaborou com a organização tendo estado na Aldeia do Poço, local do 1º abastecimento das 3 provas (trail, mini-trail e caminhada), também do 2º abastecimento do mini-trail e da caminhada, organização que está de merecidos parabéns pelo excelente evento que foi este II Trail de Conímbriga Terras do Sicó.

II Trail de Conímbriga Terras do Sicó (Fotodiploma).

quinta-feira, 3 de março de 2011

II Trail de Conímbriga Terras do Sicó (Palavras).

No passado domingo Condeixa-a-Nova foi capital do trail nacional ao acolher o evento "II Trail de Conímbriga Terras de Sicó", o qual foi organizado pela Associação Desportiva "OMundo da Corrida.com" com os apoios da Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova, da Fundação Inatel, dos CDCR CTT Coimbra, das juntas de freguesia de Condeixa-a-Nova, Condeixa-a-Velha, Zambujal, Furadouro e Ega, dos Bombeiros Voluntários de Condeixa-a-Nova e do Agrupamento 1035 de Condeixa-a-Nova do Corpo Nacional de Escutas.
O evento incluiu uma prova de trail com 30 km que teve 243 atletas classificados na meta sendo que os mais rápidos foram Alcino Serras (em masculinos) e Glória Serrazina (em femininos), um mini-trail com 15 km que teve 148 atletas classificados na meta e uma caminhada com algumas centenas de pessoas.
A partida faseada (9h30, 9h40 e 9h50) das provas foi dada na Praça do Município em Condeixa-a-Nova sendo que os quilómetros iniciais foram comuns às 3 provas com passagem pelas ruínas romanas de Conímbriga e seguindo os Caminhos de Peregrinação a Santiago de Compostela e a Fátima, caminhos ainda hoje calcorreados por Peregrinos e devidamente assinalados ao longo do terreno.
De salientar a oferta de um conjunto muito simpático de brindes de presença aos participantes, alguns produtos da região (vinho tinto, frasco de mel e requeijão), um azulejo, uma t-shirt e um foto-diploma.
No final foi também oferecido aos participantes uma deliciosa "escarpiada", um doce de Condeixa-a-Nova que na sua confecção utiliza entre outros, pão, azeite, canela e açúcar amarelo.
As 3 provas tiveram muitos e bons abastecimentos, contando com isso mesmo apenas levei comigo um gel que usei a meio da prova; recorrendo a esses pontos de referência (abastecimentos) eis como "correram" os meus trilhos por terras do Sicó.

Da partida (Condeixa-a-Nova) ao 1º abastecimento (Aldeia do Poço):
Antes da partida tempo ainda para rever muitos e bons amigos, partida dada na Praça do Município, quase de imediato a passagem pela zona do pavilhão polidesportivo onde funcionou o secretariado do evento e onde estava instalada a meta, logo depois a passagem pelas ruínas de Conímbriga, sem que o terreno apresentasse nessa fase dificuldades de maior continuei num bom ritmo o que não impedia que ainda continuasse a ser ultrapassado por alguns participantes, muito bonita a parte do percurso em que corremos já com a companhia do rio do nosso lado esquerdo, já na Aldeia do Poço vi primeiro a Paula que ia fotografando os participantes, pouco depois o Manuel Fonseca que nos ia recebendo com palavras de incentivo, logo de seguida a zona do 1º abastecimento na qual a Isabel e a Vitória me iam esperando bem sorridentes.
Parei junto delas, bebi água, troquei algumas palavras com elas, continuavam a passar participantes, era chegada a altura de também eu continuar, despedi-me primeiro da Isabel, depois da Vitória, olhei uma última vez para trás, lancei-me em busca do 2º abastecimento.

Antes da partida com Manuel Romano (R4F) e Fernando Andrade (a quem saquei a foto):

Fotos tiradas na Aldeia do Poço (zona do 1º abastecimento):

[continua]

terça-feira, 1 de março de 2011

II Trail Conímbriga Terras do Sicó (Números).

Prova: II Trail de Conímbriga Terras do Sicó.
Data: 27 de Fevereiro de 2011.
Distância: 30 km.
Total de 243 atletas classificados na meta, 227 homens (93,4%) e 16 senhoras (6,6%) sendo que 12 dessas senhoras tiveram direito ao pódio.







Fonte: Classificações da prova.