Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



quinta-feira, 28 de novembro de 2013

VIII Grande Prémio da Arrábida.

Com a "lebre" José Sousa

Numa organização da Associação de Atletismo Lebres do Sado disputou-se na manhã do passado domingo o "VIII Grande Prémio da Arrábida", evento composto por uma prova de atletismo com carácter competitivo na distância de 12,5 km e por uma prova não competitiva (vulgo caminhada) na distância de 7,5 km.
Ambas as provas tiveram partida e chegada no jardim de Vanicelos em Setúbal.
Na prova principal o habitual percurso desenhado num misto de alcatrão e terra batida apresentou como única dificuldade os cerca de 2 km da subida da "Cobra", sendo o restante percurso praticamente plano ou a descer.
Esta prova tem a particularidade técnica do 1º km da mesma ser corrido em pelotão guiado por duas "lebres" que não podem ser ultrapassadas, depois cada atleta pode imprimir o seu próprio andamento.
Outra particularidade desta prova é o seu conhecido abastecimento de moscatel, um dos muitos e bons vinhos da região, sendo que além deste abastecimento sui generis existiram mais dois de água.
Terminaram a prova principal 563 atletas.
Para mim foi mais uma à porta de casa, ao contrário do ano passado desta vez tive a companhia da Isabel que participou na caminhada, ao contrário do ano passado desta vez não choveu mas fez muito frio…
Tal como no ano passado e durante a prova a obrigatória paragem no "tal" abastecimento, Artur, Jorge Pereira, Mayer, Estela, companheiros das corridas, na manhã de domingo na nobre missão de servirem o néctar, não me fiz rogado e bebi um copinho por cada um desses amigos, tal como no ano passado um tempo final a passar um pouco da hora de corrida e diversão, tal como há um ano uma manhã 5 estrelas. 

Dados da minha prova:
Dorsal: 53
Distância: 12,5 km
Tempo: 1h03'02''
Classificação Geral: 180 (em 563)
Classificação Escalão (M50): 14 (em 45)

terça-feira, 19 de novembro de 2013

21ª Corrida do Monge.

Na manhã do passado domingo realizou-se a 21ª Corrida do Monge, evento composto por um passeio pedestre com aproximadamente 8 quilómetros de extensão e por uma prova competitiva de 11,5 quilómetros, esta última integrada no calendário do Circuito Nacional de Montanha 2013.
A organização esteve a cargo da Junta de Freguesia de Alcabideche e da Sociedade de Instrução e Recreio Janes e Malveira e contou com o apoio da Câmara Municipal de Cascais, Federação Portuguesa de Montanhismo e Escalada e Terras de Aventura.
O mais rápido do sector masculino foi o atleta José Carvalho (N.A. Vila Real) sendo que no sector feminino a mais rápida (e 16ª da geral) foi a atleta Rosa Madureira (Penafiel).
Pelo 2º ano consecutivo foi batido o número de atletas classificados na meta, este ano 459 atletas, um aumento de 178 em relação aos 281 atletas que terminaram em 2012.
Esta Corrida do Monge que teve a sua 1ª edição em 1984 pode ser considerada uma clássica das provas de montanha em Portugal e como fazendo parte da 1ª geração das mesmas (a par das bem conhecidas "12 kms Manteigas-Penhas Douradas" ou "17 Kms de Porto de Mós", entre outras).
Eu também lá estive e gostei bastante, apesar de ser uma prova curta tem dificuldade e tecnicismo q.b., tem uma parte do percurso de uma beleza fabulosa, tem uma organização segura e bastante simpática, sem dúvida uma prova a repetir, quem sabe já em 2014.

Dados da minha prova:
Dorsal:116
Distância: 11,5km 
Tempo: 1h24'30''
Classificação geral: 232 (em 459)
Classificação escalão M50: 24 (em 49)

domingo, 17 de novembro de 2013

V Treino Nocturno de São João das Lampas.

Foto da autoria de Duarte Andrade.
[clicar na imagem para ver melhor]

Na noite da passada sexta-feira decorreu o V Treino Nocturno de São João das Lampas, o qual percorre o percurso da mítica prova que acontece todos os anos em Setembro, a meia-maratona de São João das Lampas.
A região saloia viveu mais uma grande noite de corrida e convívio com este treino que é único, como sempre quem lá esteve foi muito bem recebido e tratado, aos amigos que mais uma vez liderados pelo mestre Fernando Andrade criaram mais esta noite mágica um grande obrigado.
Foi a minha 10ª vez nas "rampas", 7 diurnas e 3 nocturnas.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

"Mãe".


Mais uma "mãe", a 39ª, a minha 6ª, mais uma meta cortada de mão dada com a Vitória, mais um belo domingo passado na Nazaré.

Dados da minha prova:
Dorsal: 232
Distância: 21,1 km
Tempo: 1h43'35''
Classificação Geral: 515 (em 1268)
Classificação Escalão (M50): 46 (em 133)

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

"... Do Valado à Nazaré são seis quilómetros, quase sempre através do monótono pinheiral de El-Rei. É um majestoso templo que não acaba e onde a solidão se torna palpável entre os troncos cerrados e sob as copas espessas. Por fim o caminho desce, passando a Pederneira, e avista-se lá em baixo a branca Nazaré e o mar apertado num vasto semicírculo de montes verdes, que mergulham no azul os alicerces. Ao norte o panorama acaba de repente num paredão temeroso, que entra direito pelas águas e entaipa o céu. É um morro avermelhado e riscado, com vegetação pegajosa de urzes e de cardos e um penedo destacado na ponta – a pedra do Guilhim. Lá em cima as paredes brancas duma aldeia árabe entre sebes de cactos hostis – O Sítio. Pedaços de rochas salientes ameaçam desabar a toda a hora ..."

Raul Brandão in "Os Pescadores"