Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



sexta-feira, 28 de abril de 2017

Outra vez...Mérida.

"Tarde de sábado, dia 22 de Abril de 2017"
(Foto de Isabel Almeida)

Sexta-feira, 21 de Abril de 2017.
Outra vez…Mérida, outra vez as "LXVII Millas Romanas", o equivalente a aproximadamente 100 quilómetros, prova com início às nove horas da noite e tempo limite de 24 horas.
Na tarde de sexta-feira, de carro e a caminho do pavilhão para levantar o dorsal passámos pelo João Faustino que à pergunta se queria boleia respondeu "outra vez", entendemos então que ele já tinha levantado o dorsal e que se referia a voltar outra vez ao pavilhão…
Pouco depois, já no pavilhão, vimos o João chegar e então é que percebemos que o "outra vez" que ele nos tinha respondido se referia a estarmos de novo em Mérida depois de há um ano eu ter aqui escrito que provavelmente terminara em 2016 um ciclo.
Mas voltei e passei outra vez uma noite inteira na companhia do meu homónimo António Almeida, "outra vez" o grande prazer de partir, desfrutar e finalizar, ainda que ao fim de muitas horas, este ano um pouco mais que 17, para ser exacto 17 horas, 12 minutos e 13 segundos já que este ano pela primeira vez existiu chip, "outra vez" um português em primeiro, "outra vez" o João Faustino (em 2012 quando da minha primeira participação o João terminou igualmente em primeiro), grande João …
Mérida, em 2018 muito provavelmente…voltarei "outra vez".

Nota histórica:
A Lusitânia (em latim: Lusitania) é considerada a origem ancestral de Portugal e foi o nome atribuído na Antiguidade ao território oeste da península Ibérica onde viviam os povos lusitanos desde o Neolítico. Após a conquista romana passou a designar uma província romana da Hispânia (actuais territórios de Portugal e de Espanha), incluía aproximadamente todo o actual território português a sul do rio Douro, mais a Estremadura espanhola e parte da província de Salamanca, tendo como capital a cidade de Emérita Augusta, hoje Mérida.
O conjunto arqueológico de Mérida está classificado pela UNESCO desde 1993 como Património da Humanidade.

2 comentários:

Jorge Branco disse...

Parabéns! Grande maquina! Eu que ia morrendo para correr 45,250 km. Está malta que come km como se fossem tremoços! Abraço.

nuno cabeca disse...

Muitos e grandes parabéns!

A treinar às escondidas? ;)

Aguardo um log quantitativo do treino... tenho aqui um bichinho chamado Ultra que me anda a morder...