Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



sexta-feira, 15 de julho de 2016

Esplendor...

Se no passado dia 10 de Julho o atletismo português viveu mais um dia de glória como felizmente temos tido alguns desde há 40 anos quando Lopes foi medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Montreal, a noite essa foi de esplendor para todo um povo que vibrou com a conquista do título de campeão europeu de futebol pela nossa equipa nacional.
A conquista inédita por parte de Portugal desse título de campeão europeu de futebol pôs um país inteiro a festejar nas ruas noite dentro e pelos quatro cantos do mundo a festa foi portuguesa.
Também aqui por casa a família vibrou com essa conquista, mais uma vez foi na rua (São João Baptista em Almada) que assistimos à transmissão do jogo.
Muito nos emocionámos com a lesão do Ronaldo, muito sofremos mas muito acreditámos, tanto que entre nós os três e ao iniciar-se o prolongamento apostámos em que minuto Portugal marcaria (eu-107', Isabel-108' e a Vitória-112'), festejámos e de que maneira o golo de Éder, continuámos a festejar nas ruas, celebrámos o esplendor de ser Portugal, de sermos pela primeira vez campeões europeus de futebol, que noite inesquecível a de 10 de Julho de 2016, uma noite que ficará para sempre gravada na memória de todos os portugueses, noite em que Portugal passou a fazer parte de uma restrita lista de 10 países que já foram campeões europeus de futebol.
Muito obrigado a todos os que elevaram bem alto o nome de Portugal, sois grandes, o país rendeu-se à vossa conquista histórica, país que festejou nas ruas, país que tão pouco acreditou que éramos capazes de trazer a taça para casa, país que tantas vezes, na minha modesta opinião, injustamente criticou.
Quando há mais de 40 anos o professor Moniz Pereira apontou às medalhas no início da preparação para os jogos olímpicos de 1976 não faltou quem duvidasse e criticasse mesmo o desperdício dos custos resultantes de tal preparação, 40 anos depois e quando o seleccionador Fernando Santos estipulou como objectivo ser campeão europeu de futebol logo se fizeram ouvir os nossos bem conhecidos “velhos do Restelo”.
Atletismo, futebol, é muito mais o que nos une do que aquilo que nos separa, uns e outros tantas vezes incompreendidos, tantas vezes injustamente criticados, tantas e tantas vezes o motivo primeiro de felicidade de um povo que tanto tem sofrido, muito por culpa dos que têm conduzido e tão mal os destinos do país.
Nesta hora de felicidade para o futebol e atletismo portugueses não nos podemos esquecer que muitas outras modalidades como o judo, canoagem, ténis de mesa, natação, ciclismo, futebol de praia, vólei de praia, ginástica, rugby, ténis, tiro e tantas outras, igualmente têm conseguido muitas e boas prestações em grandes competições desportivas.
Aqui por casa a bandeira vai continuar na nossa varanda onde foi colocada no dia 22 de Junho, antes do jogo de Portugal com a Hungria…quando então eram poucos os que acreditavam.
Viva Portugal!

Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar!
Contra os canhões
marchar, marchar

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Mais um dia de Glória.

Foto do site do Comité Olímpico de Portugal 

O passado dia 10 de Julho foi mais um dia de glória do atletismo português com títulos europeus nas provas de meia-maratona e do triplo salto. O último dia dos europeus de atletismo 2016 que decorreram em Amesterdão começou com a vitória da atleta Sara Moreira na prova de meia maratona. Na mesma prova Jéssica Augusto obteria o terceiro lugar e a respectiva medalha de bronze com Dulce Félix - que já tinha conquistado, nestes europeus, a medalha de prata nos 10000 metros - a terminar em 12º lugar e a fechar a equipa portuguesa que assim chegaria também ao ouro por equipas na Taça da Europa da distância de meia-maratona, que decorreu em simultâneo com os europeus e para a qual contaram os registos das três melhores atletas de cada país.
O dia de domingo continuou com o atleta português de origem búlgara Tsanko Arnaudov a conquistar a medalha de bronze na prova de lançamento de peso.
Patrícia Mamona fechou mais este dia de glória para o atletismo Português com o seu salto de 14,58 metros na prova de triplo salto voando para o ouro com um novo recorde nacional da especialidade.
Mais um dia de glória do atletismo português, algo que em especial no sector feminino tem vindo a repetir-se com alguma frequência.

domingo, 10 de abril de 2016

V...de Vitória.






No regresso a Mérida para uma vez mais percorrer as Millas Romanas (cerca de 100 quilómetros) tinha como objectivo trazer o quinto miliário com o "V" de Vitória, foi longo o caminho para o conseguir, começou em 2012 com o meu primeiro miliário com o número romano I, por brincadeira disse então que era o "I" de Isabel, seguiu-se 2013 (II), 2014 (III) e 2015 (IV), finalmente neste 2016 o quinto com o meu "V" de Vitória, um ciclo para mim perfeito e que muito provavelmente se fechou...

segunda-feira, 14 de março de 2016

Una manãna muy feliz.


Desde outubro de 2014 que não corria uma maratona e apesar de ter concluído com o meu pior registo na distância, a 21ª está feita.
O objectivo traçado à partida 6min./km pode-se dizer que foi atingido.
Quanto ao que realmente interessa, o prazer de correr, a festa sempre que me cruzei com a Vitória e a Isabel, cortar a meta de mão dada com a Vitória, rever companheiros de corrida..., tornaram a manhã de ontem, radiosa e muito bonita por si, também uma manhã muito feliz.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Os meus 42,2 km em dia de Maratona de Sevilha.

Na manhã do passado domingo correu-se a maratona de Sevilha, maratona que corri pela primeira vez em 2010...
No regresso em 2011 pela primeira e única vez corri uma maratona abaixo das 3h30' na que foi então a minha 9ª maratona corrida.
Voltei de novo nos três anos seguintes (2012 a 2014) sendo que guardo muitas e boas recordações dessas 5 "excursões" a Sevilha.
Este ano repeti a ausência de há um ano mas saboreei a distância por terrenos perto de casa e numa manhã muito bonita.

[Clicar na imagem para ver melhor]

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

[clicar na imagem para ampliar]

Sábado à tarde voltei a participar na São Silvestre de Lisboa, neste 2015 prestes a terminar e em que por opção praticamente deixei de participar em provas, esta continua a fazer parte da minha "lista".
Das várias edições da prova já disputadas ao longo dos últimos anos apenas faltei a uma e fui comprovando como cresceu bastante a prova em termos de número de participantes mantendo desde a primeira dessas edições um alto nível organizativo.
Foi bom voltar a correr em Lisboa, a Magnífica, como sempre esta São Silvestre de Lisboa fechou o meu ano de "provas", ou na verdade, de meia dúzia de provas.
Como sempre tive a companhia da Isabel e da Vitória.