Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

XVIII Maratón Popular Ciudad de Badajoz.


Na manhã do passado domingo realizou-se a XVIII Maratón Popular Ciudad de Badajoz, a prova teve 287 atletas classificados na meta dos quais 266 eram do sexo masculino (92,7 % do número total) e 21 do sexo feminino (7,3 % do número total), entre os quais muitos atletas oriundos de Portugal.
O mais rápido no sector masculino foi o português Gil Ferreira (ADERCUS) com o tempo de 2h26'34'', sendo que o 3º lugar da geral foi igualmente ocupado por um português, António Custódio (Águias Unidas) com o tempo de 2h30'48''.
Já no sector feminino a mais rápida foi a atleta belga (a residir em Portugal) Chantal Xhervelle (AM Casal Figueira) com o tempo de 3h07'59'', sendo que o 2º lugar foi ocupado pela atleta portuguesa Carmén Pires (Asas do Milenium) com o tempo de 3h16'38''.
De salientar também a presença de muitos portugueses no pódio dos vários escalões, sendo que em dois deles só estiveram mesmo portugueses, um dos quais aquele em que esteve o Mota.
Igualmente de salientar as excelentes representações do Clube Atlético da Barreira - Leiria (15 atletas na maratona, várias presenças no pódio e vitória colectiva) e do clube "Águias Unidas" dos Foros da Amora (7 atletas classificados na meta com tempos iguais ou inferiores a 3 horas e igualmente várias presenças no pódio entre as quais o já referido 3º lugar da geral).

A blogosfera que fala de corrida esteve representada por Luís Mota (que arrasou), Luís Parro e eu próprio, que não arrasámos mas que lá nos tornámos "internacionais" ainda que à porta de casa.

A minha 1ª vez além-fronteiras:

Na manhã da última maratona de Lisboa, ainda antes da partida da mesma, durante o café que bebi na companhia do meu cunhado Vítor tinha-lhe dito que se a maratona de Lisboa me corresse bem a seguinte seria Badajoz, até então só a Isabel sabia que Badajoz estava no meu horizonte.
Passaram rápidas as semanas desde essa manhã da última maratona de Lisboa e no passado domingo lá estive na linha de partida da XVIII Maratón Popular Ciudad de Badajoz, na que foi a minha primeira prova além-fronteiras, 42 quilómetros de puro prazer de correr coroados com uns metros finais que se revelaram os mais saborosos de todos, já na recta na meta e nos minutos que se seguiram a ter completado a prova vivi momentos de uma grande carga emotiva, decerto que a isso não terá sido alheio o facto de a Vitória ter cortado a meta comigo, o que aconteceu pela 2 ª vez em provas de maratonas (a 1ª foi no Porto em Outubro de 2008 na que foi então a minha 1ª maratona).

Foi uma bela jornada por terras de "nuestros hermanos", estivemos indecisos quase até à última da hora, em irmos no próprio dia ou de véspera, depois lá decidimos ir sábado e rumámos a Badajoz já depois da hora de almoço, viagem tranquila e agradável de se fazer, fomos logo directamente levantar o dorsal e só depois nos dirigimos para o hotel onde ficámos alojados, hotel em que ficaram igualmente muitos dos portugueses presentes em Badajoz.
Logo à chegada encontrei o Luís Parro com quem conversei um pouco, mais tarde chegou o casal Mota, mais uns dedos de conversa e foi tempo de carregar mais uns "hidratos" para queimar no dia seguinte.
Depois do jantar tempo ainda para mais uns momentos de confraternização com os outros dois companheiros de Tomar (Vítor Medeiros e António Carlos) presentes em Badajoz, também com outros atletas portugueses.

Depois de uma noite que não foi propriamente tranquila já que acordei várias vezes durante a mesma, desci para tomar o pequeno-almoço na companhia do casal Mota, mais tarde troquei de lugar com a Isabel, a Vitória continuava a dormir…
Por volta das 8h45 saímos do hotel e dirigimo-nos a pé para o local da partida dada a proximidade da mesma, a manhã estava fria apesar de ensolarada.
Já na zona de partida foi tempo de algumas fotos, ir ao controlo e quase sem dar por isso, era chegada a hora da partida, a qual foi dada como previsto às 9h30.

[continua]

5 comentários:

Jorge disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge disse...

Caro amigo Antônio, bom dia, pelo que eu tenho lido nos blogs dos amigos de Portugal, vcs aí na Europa tem excelentes provas para correrem hein, pelo que eu já li numa parte deste texto já deu para sentir a emoção do que foi esta prova, bom espero que vc tenha feito uma boa prova e desde já lhe dou os meus parabéns por mais uma prova concluída, estarei esperando o restante do relato.
Quero lhe pedir um favor, que atualize o link do meu blog no seu, pois agora o blog JMARATONA tem domínio próprio, em vez de digitar wwww.jmaratona.blogspot.com digite www.jmaratona.com agradeço desde já e lhe desejo boas corridas.

Um abraço,

Jorge Cerqueira
www.jmaratona.com

Mário Lima disse...

Olá António

Embora ainda te falte escrever mais sobre a prova, há uma relação acusa/efeito que é-me grato salientar. É o facto de teres feito já várias maratonas em tão pouco tempo e, pelos teus escritos, verificar que não te ressentes de prova para prova, a causa será a grande quilometragem que tens, o efeito é não haver um grande desgaste pelo esforço dispendido, e nesses entretantos vais sempre melhorando as tuas marcas de prova para prova. Não sei se foi esse o caso nesta Maratona, mas vem sendo assim nas Maratonas anteriores.

Também a minha primeira internacionalização foi em Badajoz (Badajoz/Elvas) mas em metade da tua prova ou seja a Meia-Maratona, prova que teva a peripécia contada no meu tema «Por um fio».

Fico a aguardar mais contares sobre esta prova e gostei de ver a foto de pegares na mão da tua filha para mais um cortar de meta.

Abraços!

luis mota disse...

Olá António!
A crónica na primeira pessoa de uma excelente jornada. Parabéns pela conclusão de mais uma Maratona.
Foi pena não ter-mos ido no Sábado de manhã, mas ainda fomos a tempo.
Dia 14 estaremos em Sevilha e aí, juntamente com uma grande comitiva, estaremos mais tempo em festa.
Cumprimentos para todos da família Mota.

Carlos Lopes disse...

Parabéns António, sempre em grande forma