Amigos das Palavras

“…quando ia treinar passava pelas ruas a correr e ninguém podia imaginar o mundo de palavras que levava comigo. Correr é estar absolutamente sozinho. Sei desde o início: na solidão é-me impossível fugir de mim próprio. Logo após as primeiras passadas, levantam-se muros negros à minha volta. Inofensivo o mundo afasta-se. Enquanto corro, fico parado dentro de mim e espero. Fico finalmente à minha mercê. No início, tinha treze anos e corria porque encontrava o silêncio de uma paz que julgava não me pertencer. Não sabia ainda que era apenas o reflexo da minha própria paz. Depois, quando a vida se complicou, era tarde demais para conseguir parar. Correr fazia parte de mim como o meu nome…”

Palavras de José Luís Peixoto in "Cemitério de Pianos"

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Mais logo à noite...

Ver aqui.

5 comentários:

Fernando Andrade. disse...

Lá estaremos, António
Vai ser mais uma jornada memorável, em que mais de 70 celebrarão esta "Missa do Galo".
Grande Abraço.
FA

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Boa corrida António, e melhor convívio. Muita alegria entre amigos!

BEijinho
Ana Pereira

Carlos Lopes disse...

Boas Festas

Carlos Castro disse...

Fosse eu daí e nessa também entrava, mesmo ao "pé coxinho"... porque o outro ainda não serve... :))
Continuem a cultivar esta amizade salutar, reforçada com o espírito da época!
Bom Natal! Bom Ano de 2011!

Mário Lima disse...

António

Para toda a Família Almeida os desejos de um Feliz Natal.

Inté Domingo.

"Abreijos"