Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



quarta-feira, 18 de abril de 2012

As minhas LXVII Millas Romanas (I).

1º circuito - "Guadiana" - 27,5 km
Ao ecoar as 21 horas da passada sexta-feira parti para as minhas "LXVII Millas Romanas", prova com partida e chegada na Plaza de España (cidade de Mérida em Espanha), prova com a particularidade de ser disputada em 3 circuitos e com passagens pela cidade no final de cada um dos dois primeiros circuitos.
Apesar de ser uma prova não competitiva são registados os tempos (segunda-feira já estavam disponíveis no site do clube organizador) e oferecido a cada participante que complete as LXVII Millas um muito bonito "Marco Miliário".
Sabia que o "garmin" não ia aguentar até ao fim pelo que optei por não o ligar no primeiro circuito.
Após a partida segui perto dos muitos portugueses presentes (18 à partida, dos inscritos apenas uma falta de comparência), entrámos quase de imediato num primeiro trilho, praticamente plano e situado junto ao rio, sabia que o primeiro controlo só abria às 21h42' pelo que resolvi seguir calmamente até esse primeiro ponto (Estación de Aljucén) onde cheguei e encontrei na fila já formada para "carimbar" maioritariamente portugueses, por essa altura ligou-me a Isabel, quase de imediato abriu o controlo e após carimbar retomei o passo de corrida, segui então por perto do Bossa, Pedro Prates e do José Simões, este último a assumir o papel de grande animador do grupo.
De regresso a Mérida foi altura de passar a moderna ponte Lusitania, ainda antes de retomar o trilho que se seguiria em direcção oposta ao do trilho anteriormente feito, demos com um ponto de abastecimento (só de água), por essa altura passámos a ter a companhia de mais dois portugueses, o Jorge Pereira e a "lebre" Paulo Fernandes. 
O José Simões continuava a ser o grande animador, o Jorge Pereira achava então que íamos rápido, com isso todos estavam de acordo mas o ritmo manteve-se como então até ao ponto de controlo situado ao km 18,7 (Pista de Alange), o qual abriu quase em simultâneo com a nossa chegada pois após chegarmos não passou muito tempo para os primeiros retomarem o passo de corrida.
Após mais um carimbo, também de comer e beber, procurei os meus companheiros com quem tinha vindo até então mas por lá já só estavam o Bossa e o Prates, retomámos então os três o trilho antes palmilhado mas agora em sentido contrário, viríamos depois a apanhar de novo o trio Paulo Fernandes, Jorge Pereira e José Simões. Sexteto reagrupado e foi tempo de continuar até à ponte romana que nos serviu para passar de novo para a outra margem e voltar a correr nas ruas da cidade de Mérida, algumas pessoas nas ruas, alguns incentivos, o José Simões manteve-se como desde o inicio como o grande animador, ia-nos picando, ia cantando "é sexta-feira…yeah", a dada altura adiantou-se ao grupo, sentou-se num dos bancos e à nossa passagem bateu palmas…
Quase sem darmos por isso e em cima da hora em que o controlo abriria (00h11') estávamos de volta ao pavilhão (polideportivo Diocles) com os primeiros 27,5 quilómetros já feitos, pavilhão onde tinha a Vitória e a Isabel à minha espera.
Por lá ainda estavam quase todos os portugueses, eu ainda ficaria por lá algum tempo durante o qual aproveitei para comer e beber, pouco depois e após carimbar, tempo de me despedir da Isabel e da Vitória o que fiz já no exterior no pavilhão e numa altura em que eram muitos os que retomavam a prova.
Repetindo-se o que já tinha acontecido anteriormente, o Bossa e o Prates seriam de novo os meus companheiros na hora de recomeçar, se bem que não o viriam a ser durante muito mais tempo mas isso só o viria a saber mais tarde…
[continua]

Sem comentários: