Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



sexta-feira, 24 de maio de 2013

2º Ultra-Trail Serra de São Mamede (Palavras, parte I)










 

Da partida (Estádio dos Assentos, Portalegre) ao 1º PAC (Viveiro, km 11)
Após a partida dada em plena pista do estádio por volta das zero horas de sábado, dia 17 de maio deste ano de 2013 segui pelo corredor formado pelas muitas pessoas que assistiram à partida e logo depois saí do estádio, segui calmamente, quase de imediato a entrada na noite escura e nos primeiros trilhos em que comecei a ser ultrapassado por alguns participantes, já na zona do rio passei a engrossar uma enorme fila de participantes que iam progredindo lentamente, zona do rio vencida e tempo de esticar um pouco, fiquei então sem companhia por perto e assim continuei até chegar ao 1º PAC não que sem antes a noite muito escura e o nevoeiro me tenham criado dificuldades com que não contava.
No tempo que estive no 1ºPAC aproveitei para limpar os óculos e beber coca-cola, também abastecer-me de água, nesse mesmo tempo chegaram as "lebres" "casal Mota" e Manel Fonseca com quem decidi então continuar na hora de recomeçar.
Do 1ºPAC ao 2ºPAC (Alegrete, km 17)
Tempo de prova: 2h24' (2h04' em 2012, +20' que em 2012)
Troço do percurso sempre na companhia das "lebres", troço bem fácil com algumas partes do mesmo muito bonitas pelo que deu para ver, troço em que não senti muito o escuro da noite, já em Alegrete tal como em 2012 o PAC estava instalado no coreto que lá existe e tal com em 2012 convidava muito a ficar...
Na altura de retomar decidi continuar na companha das "lebres", altura em que vi chegar o Alex, com quem viria mais tarde a fazer muitos e muitos quilómetros.
Do 2ºPAC ao 3ºPAC (Antenas, km 30)
Tempo de prova: 4h54' (4h23' em 2012, +31' que em 2012)
Comecei este troço do percurso na companha dos meus anteriores companheiros mas na fase da subida fui-me aos poucos distanciando e acabei por fazer grande parte da mesma sem ninguém por perto.
Na noite cada vez mais fria era por vezes atingido por bátegas de água lançadas pelas árvores sacudidas pelo vento que também ele se ia fazendo sentir presente, já na fase final da subida deparei-me de novo com dificuldades inesperadas provocadas pela noite muito escura que me ia criando grandes dificuldades em progredir, as quais diminuíram um pouco já perto do topo onde estava instalado o 3º PAC e onde cheguei pouco depois.
Nas "antenas", o ponto mais alto deste ultra-trail, o frio era de rachar, algumas desistências já ali verificadas, bebi 2 chávenas de chá quente, comi um queque e segui quase de imediato tentando evitar que o corpo arrefece-se muito…
Do 3ºPAC ao 4ºPAC (Apartadura, km 40)
Tempo de prova: 6h52' (5h42' em 2012, +1h10' que me 2012)
Troço do percurso inicial a descer, passei então a correr por perto do Alex, a dada altura deparámos com uns elementos da organização junto a uma fogueira, aproveitei para aquecer as mãos, tempo em que fui ultrapassado pelas "lebres", segui e pouco depois encostei-me a elas, pensava então que o Alex já estaria mais à frente o que se viria a revelar não corresponder à realidade já que a dada altura sou alcançado por ele, nos quilómetros seguintes haveria de continuar por perto e a espaços, quer das "lebres", quer do Alex.
Neste troço, analisando agora, terei quebrado bastante, o que se terá devido muito à noite que me começou ao contrário do que é hábito quando corro durante a noite a incomodar-me, recordo-me que a dada altura passei mesmo a ansiar quase desesperadamente pelo nascer do dia, o qual foi chegando de mansinho e com isso provocando em mim um efeito de um novo fôlego tendo nessa fase já com a luz adiantando-me ligeiramente aos meus companheiros mais frequentes dos últimos quilómetros e tendo então chegado sem companhia à zana do PAC se bem que quase de imediato tivessem também chegado esses mesmos companheiros.
Do 4ºPAC ao 5ºPAC (Peixe de Espada, km 50)
Tempo de prova: 8h22' (7h03' em 2012, +1h19' que me 2012)
Troço feito em grande parte do mesmo na companhia do Alex, troço bem fácil apesar de grande parte em subida e no qual gastámos 1h30' (em 2012 tinha gasto 1h19').
No PAC5 e com metade da prova feita foi tempo de "bifana" apenas tendo faltado a "mini", falta essa largamente compensada pela enorme simpatia dos voluntários lá presentes. 
Do 5ºPAC ao 6ºPAC (Marvão, km 60)
Tempo de prova: 10h55' (9h34' em 2012, +1h21' que em 2012)
Pouco depois de retomarmos a prova avistámos Marvão, imagem impossível de esquecer, bem lá no alto os contornos do castelo desenhados sobre as núvens…
Na fase inicial deste troço seguimos por perto da Célia Azenha que ia junto de um outro participante, também na fase inicial aproveitámos a mesma ser em descida para correr um pouco.
Já na fase intermédia neste troço tivemos que passar um rio que este ano ao contrário de 2012 tinha mais água mas ainda assim sem criar dificuldades de maior.
Pouco depois apanhámos a "lebre" Paulo Fernandes que como habitualmente ia na "boa", por essa altura tivemos que saltar 2 ou 3 muros.
Já em plena calçada romana na subida para Marvão o Alex ganhou-me algum avanço, segui então por perto do Paulo mas aos poucos fui-me adiantando ligeiramente.
Subida feita, sabia que teria que descer para então de novo subir no "ataque" final , desta vez sabia bem o que me esperava e o transpor da "porta da traição"  e respectiva entrada nas muralhas de Marvão, este ano ao contrário de 2012, foi um momento saboreado com muito prazer, logo à chegada fui "controlado" pelo amigo João Bucho (atleta do ACP e com quem fiz amizade em Lisboa onde o João reside), o sorriso da Isabel, as palavras de incentivo da Paula…
Segui para o PAC, a Isabel acompanhou-me pelo que o fiz a passo, tempo para uma ou duas fotos, palavras trocadas, saber dos amigos…
Decidi alimentar-me primeiro e só depois trocar de roupa, o PAC este ano apresentava-se muito bem organizado, zona de mudança de roupa no 1º piso, no piso inferior tal com há um ano a zona de abastecimento, bem composta com a indispensável sopa ainda por cima deliciosa e muita simpatia e arte de bem receber por parte dos voluntários lá presentes.
Após a mudança de roupa um último beijo de despedida à Isabel altura de retomar a prova mais uma vez na companhia do Alex.
[continua]

Sem comentários: