Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



segunda-feira, 27 de maio de 2013

2º Ultra-Trail Serra de São Mamede (Palavras, parte II).

Do 6ºPAC ao 7ºPAC (Carreiras, 70 km)
Tempo de prova: 13h20' (11h45' em 2012, +1h35' que em 2012)
Troço em que apesar de começar com uma longa descida seguimos a passo já que a calçada romana que íamos pisando não convidava mesmo a nada a correr, íamos tendo a companhia de uns tímidos chuviscos, já após a descida seguiu-se a passagem por uma zona de lazer existente junto ao rio, seguimos depois por um trilho junto a esse mesmo rio, muito bonita essa parte do troço, a fase imediatamente a seguir revelou-se algo monótona, já na longa subida (mais uma) que se seguiu alcançámos a Célia que seguia com um outro companheiro, já no topo na subida e numa altura em que ia à conversa com a Célia, o Alex adiantou-se, entretido que ia na conversa não o vi então entrar para o mato pelo que quando recomecei a correr ainda que fosse esticando a passada ajudado pelo terreno a descer nessa fase ia estranhando o facto de não conseguir alcançar o Alex, a dada altura no meu lado esquerdo deparei com um jovem casal junto a um carro, tratavam-se de dois elementos da organização que me indicaram então que estava a poucas centenas de metros da zona de abastecimento mas logo ali foi altura de beber uma mini, nesse tempo chegou o Alex que me disse então que tinha feito a tal incursão ao mato, também ele bebeu uma mini após o que seguimos não sem antes agradecer aos dois jovens, quase de imediato chegámos ao PAC, no tempo em que por lá estivemos acabaria também por chegar a Célia e companhia, também o Manel Fonseca.
Do 7ºPAC ao 8ºPAC (Castelo de Vide, 77 km)
Tempo de prova: 14h39' (13h01' em 2012, +1h38' que em 2012)
Logo após retomarmos a prova liguei à Isabel para lhe dizer que já íamos a caminho de Castelo de Vide onde previa que ela já estaria, a Isabel disse-me então que pelo que ia ouvindo dos participantes que por lá já tinham passado que íamos apanhar muita calçada romana, consultei a minha "cábula" e comentei com o Alex que de qualquer modo íamos apanhar uma grande parte a subir pelo que com ou sem calçada romana íamos ter que caminhar muito mais que correr…
Na fase final deste troço e já com uma vista soberba sobre Castelo de Vide deu para correr nos largos estradões existentes, já com menos de 1 quilómetro para o PAC começou a trovejar e fomos presentados com uma chuva de granizo, bolinhas de gelo que magoavam e de que maneira, alguns companheiros iam-se refugiando debaixo das árvores, quase todos a vestirem impermeáveis, eu e o Alex concordámos que o melhor visto estarmos tão perto do PAC era seguir e o mais rápido possível, nessa fase apanhámos a “lebre” Manel Fonseca, pouco depois a minha Isabel que debaixo da chuva que continuava a cair ia tirando fotos, cheguei junto dela, disse-lhe para ter juízo e para se ir abrigar, rapidamente segui para a escada onde estavam as cordas para descer até ao PAC, descida feita ainda e sempre debaixo de chuva, por fim o PAC8 conquistado, já por lá estava o Hélder Tomé, companheiro com quem há um ano cheguei junto a este mesmo PAC.

 
 
Sem que a chuva mostrasse vontade de se ausentar e passado algum tempo em que mais uma vez comemos, bebemos e nos abastecemos de água, lá seguimos numa altura que o Manel e o Hélder ainda por lá ficaram.

Do 8ºPAC ao 9ºPAC (Convento Provença, 89 km)
Tempo de prova: 16h42' (15h48' em 2012, +54' que em 2012)
Tinha dito ao Alex que neste troço íamos ter bom terreno para correr caso o percurso mantivesse o traçado de 2012, de facto assim aconteceu o que nos permitiu conseguir bons períodos de corrida a ritmos razoáveis.
Na fase intermédia deste troço passámos pelo ponto suplementar de abastecimento em que apenas havia água. Já na fase final deste troço e na altura em que íamos começar a fazer mais uma subida caiu mais uma forte chuvada, inicialmente de pedras como a que tínhamos tido em Castelo de Vide, depois apenas uma chuva propriamente dita mas bem grossa. Por fim e já sem chuva seguiu-se a fase final deste troço, praticamente a descer até ao PAC, onde reencontrei o Alex que na fase da subida me tinha ganho algum avanço, o qual se manteve depois até aquele ponto. Mais um excelente abastecimento com direito a pizza o que nos foi fazendo ficar, depois e numa altura que muitos dos que tinham chegado depois de nós já tinham partido lá resolvemos seguir numa altura em que tinha recomeçado a chover embora com menor intensidade.

Do 9ºPAC ao 10ºPAC (Penha, 95 km)
Hora de chegada: 17h52' (não existia em 2012)
Neste troço a fase inicial foi exactamente igual ao da 1ª edição, troço fácil e bonito, a dada altura demos com a indicação pintada no chão de que era a última subida, escaldado que estava de 2012 resolvi ligar para a Isabel, procurei pelo Ricardo pois calculava que já tivesse acabado, falei com ele que me confirmou que era mesmo a última subida que íamos ter que fazer, logo a seguir uma parte do percurso totalmente diferente do de 2012 haveria de nos levar sempre a descer até ao último dos PAC, o décimo, o único que não existia em 2012, por lá reencontrei o “lobo” Rui Monteiro, companheiro de Mérida 2012 e 2013, tempo para bebermos uma mini, para vestir a t-shirt para a foto final, a minha t-shirt dos "CyberRunners", constatar que o tempo com que iríamos terminar provavelmente ia ser muito idêntico ao meu tempo de 2012.

Do 10ºPAC à linha de chegada (Estádio do Assentos - Portalegre, 100 km)
Tempo de prova: 18h38' (18h26' em 2012, +12' que em 2012)
Troço totalmente novo em relação à primeira edição e muito fácil apesar das centenas de degraus que se tinham que descer logo de inicio, após vencer essa descida o que fizemos sem problema de maior o Alex impôs um forte ritmo de corrida, fui-o seguindo mas aos poucos ele foi-me ganhando avanço, a dada altura passei a caminhar e numa altura em que ele se virou para trás disse-lhe para seguir mas ultrapassado que foi o último obstáculo com que me deparei (transpor um muro relativamente alto) tinha o Alex à minha espera para juntos seguirmos, quase de imediato a entrada no estádio….
A minha Isabel, a Paula Fonseca que ia tirando fotos, o Manel que tinha terminado pouco antes, Ricardo, Ana,…
Segui lado a lado com o Alex, demos quase uma volta inteira à pista, o suave do tartan, o pórtico de chegada, fiz o V de Vitória com os dedos de cada mão, olhei sorridente a Isabel…


Linha de chegada cortada, beijos, abraços, um final de tarde radioso, faltou apenas a minha outra princesa…
Tempo para duas fotos para mais tarde recordar, com a minha Isabel e com o meu companheiro deste UTSM, Alex…
A terminar um grande obrigado amigo Alex pela companhia, um grande obrigado amigo Ricardo (e Ana) pelo apoio em especial na hora de chegada, um grande obrigado  casal Paula e Carlos Fonseca pela companhia na viagem, um grande obrigado Paula pelo apoio e pelas fotos, um grande obrigado “lebres” casal Mota e Manel Fonseca pela companhia durante alguns quilómetros, por fim um grande obrigado Isabel por embarcares nestas loucuras, isto sem ti não era mesma coisa…

1 comentário:

Alexandre Duarte disse...

Excelente relato António, aliás como já nos habituaste.
Foi um prazer partilhar contigo aquelas horas naquele 'passeio' que fizemos, lado a lado.
Puxaste por mim quando precisei e refreaste-me quando foi necessário.
Foi sem dúvida uma ajuda preciosa aquela que obtive da tua parte.
Claro que o desfecho só faria sentido se fosse feito a dois, como foi de facto.
Obrigado António e até uma próxima oportunidade.
Abraço
Alex