Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



sexta-feira, 15 de julho de 2016

Esplendor...

Se no passado dia 10 de Julho o atletismo português viveu mais um dia de glória como felizmente temos tido alguns desde há 40 anos quando Lopes foi medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Montreal, a noite essa foi de esplendor para todo um povo que vibrou com a conquista do título de campeão europeu de futebol pela nossa equipa nacional.
A conquista inédita por parte de Portugal desse título de campeão europeu de futebol pôs um país inteiro a festejar nas ruas noite dentro e pelos quatro cantos do mundo a festa foi portuguesa.
Também aqui por casa a família vibrou com essa conquista, mais uma vez foi na rua (São João Baptista em Almada) que assistimos à transmissão do jogo.
Muito nos emocionámos com a lesão do Ronaldo, muito sofremos mas muito acreditámos, tanto que entre nós os três e ao iniciar-se o prolongamento apostámos em que minuto Portugal marcaria (eu-107', Isabel-108' e a Vitória-112'), festejámos e de que maneira o golo de Éder, continuámos a festejar nas ruas, celebrámos o esplendor de ser Portugal, de sermos pela primeira vez campeões europeus de futebol, que noite inesquecível a de 10 de Julho de 2016, uma noite que ficará para sempre gravada na memória de todos os portugueses, noite em que Portugal passou a fazer parte de uma restrita lista de 10 países que já foram campeões europeus de futebol.
Muito obrigado a todos os que elevaram bem alto o nome de Portugal, sois grandes, o país rendeu-se à vossa conquista histórica, país que festejou nas ruas, país que tão pouco acreditou que éramos capazes de trazer a taça para casa, país que tantas vezes, na minha modesta opinião, injustamente criticou.
Quando há mais de 40 anos o professor Moniz Pereira apontou às medalhas no início da preparação para os jogos olímpicos de 1976 não faltou quem duvidasse e criticasse mesmo o desperdício dos custos resultantes de tal preparação, 40 anos depois e quando o seleccionador Fernando Santos estipulou como objectivo ser campeão europeu de futebol logo se fizeram ouvir os nossos bem conhecidos “velhos do Restelo”.
Atletismo, futebol, é muito mais o que nos une do que aquilo que nos separa, uns e outros tantas vezes incompreendidos, tantas vezes injustamente criticados, tantas e tantas vezes o motivo primeiro de felicidade de um povo que tanto tem sofrido, muito por culpa dos que têm conduzido e tão mal os destinos do país.
Nesta hora de felicidade para o futebol e atletismo portugueses não nos podemos esquecer que muitas outras modalidades como o judo, canoagem, ténis de mesa, natação, ciclismo, futebol de praia, vólei de praia, ginástica, rugby, ténis, tiro e tantas outras, igualmente têm conseguido muitas e boas prestações em grandes competições desportivas.
Aqui por casa a bandeira vai continuar na nossa varanda onde foi colocada no dia 22 de Junho, antes do jogo de Portugal com a Hungria…quando então eram poucos os que acreditavam.
Viva Portugal!

Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar!
Contra os canhões
marchar, marchar

2 comentários:

Jorge Branco disse...

VIVA PORTUGAL!
Um abraço.

JoaoLima disse...

Foi uma noite épica e inesquecível!
E a aposta foi ganha pela Isabel que disse 108 e o golo foi, exacta e rigorosamente, aos 108 minutos e 24 segundos :)

Um abraço e Viva Portugal!