Amigos das Palavras

“…quando ia treinar passava pelas ruas a correr e ninguém podia imaginar o mundo de palavras que levava comigo. Correr é estar absolutamente sozinho. Sei desde o início: na solidão é-me impossível fugir de mim próprio. Logo após as primeiras passadas, levantam-se muros negros à minha volta. Inofensivo o mundo afasta-se. Enquanto corro, fico parado dentro de mim e espero. Fico finalmente à minha mercê. No início, tinha treze anos e corria porque encontrava o silêncio de uma paz que julgava não me pertencer. Não sabia ainda que era apenas o reflexo da minha própria paz. Depois, quando a vida se complicou, era tarde demais para conseguir parar. Correr fazia parte de mim como o meu nome…”

Palavras de José Luís Peixoto in "Cemitério de Pianos"

terça-feira, 3 de abril de 2018

Os 50 da Isabel...



Este ano apesar de termos passado mais uma vez a Páscoa na zona da Barragem de Castelo de Bode não participei no Grande Prémio da Páscoa de Constância que se disputou como habitualmente na manhã de sábado de Aleluia.
Falta mais que justificada pela festa de aniversário da Isabel.
Não deixei ainda assim de percorrer os quilómetros do percurso, durante a manhã de sexta-feira incluídos no meu treino de 30 quilómetros e de novo da manhã de domingo de Páscoa incluídos nos 17 quilómetros corridos nessa manhã.

1 comentário:

joaquim adelino disse...

Apesar de atrasado numa palavrinha aqui no Blogue quero deixar uma saudação à Isabel por atingir a bonita idade de 50 anos. Pela relato creio que passaram um dia feliz, isso é o mais importante. Beijinhos para as meninas e um forte abraço para si António!