Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



terça-feira, 27 de março de 2007

O gosto de correr!

Desde miúdo que sempre gostei de correr, na rua onde cresci, enquanto os outros companheiros das brincadeiras de rua muitas vezes jogavam à bola, eu tentava organizar corridas...mais tarde e com o atletismo à porta de casa, uma das muitas e boas consequências da Revolução de Abril cheguei a praticar algum atletismo mais à séria, nos "Ases das Avenidas", um então popular clube das Avenidas Novas de Lisboa, do qual recordo os senhores Sá Viana e Firmino Afonso e o treinador Júlio Fernandes entre outros.
Morando em Almada, na Margem Sul do Tejo, chego aos “Ases” por “angariação” do Sr. Firmino, que à época era proprietário de um estabelecimento comercial situado em Cacilhas.
Treinava com os outros miúdos que também moravam na margem Sul e, por vezes íamos ao Estádio Universitário de Lisboa, geralmente nos fins-de-semana em que não existiam provas.
Na primeira prova em que participei, um corta-mato nos terrenos anexos ao antigo Estádio de Alvalade, classifiquei-me em 16º lugar, uma semana mais tarde a primeira medalha, fruto de um 7º lugar…seguiram-se outras provas, em estrada, corta-mato e pista.

Depois dos “Ases” e em finais dos anos setenta passo a representar clubes da minha “Cidade” de Almada, clubes em que imperava muita carolice e boa vontade, típica dos clubes de bairro.
Primeiro no “CDA - Clube Desportivo de Almada”, clube então a festejar o seu 7º aniversário e em cujo programa do mesmo fazia parte uma prova de atletismo (como habitualmente acontecia), na qual colaborei ajudando na organização da mesma e participando posteriormente como atleta, classificando-me então em 3º lugar no meu escalão.
No “CDA” tive como mais frequentes companheiros de treinos (muitos deles realizados à noite e em estrada), o entusiasta e empenhado Mendes, impulsionador do atletismo do clube, o meu “primo” Sousa, o meu amigo de infância Vítor Resende e o Eduardo.
Após essa breve passagem pelo “Clube Desportivo de Almada”, passei a representar o “São Paulo de Almada”, onde encontrei pessoas como o treinador Madeira e os então companheiros de treinos e de algumas provas, a simpática família Pinto Claro, o Mariano, os irmãos Duque, o Castro e o Horta, entre outros.
Os nossos locais de treino eram no Seminário de Almada, nos terrenos onde presentemente se localiza parte do Parque da Paz e na pista de atletismo do Arsenal do Alfeite; eu por vezes treinava também no campo de futebol do Beira-Mar de Almada.
As provas disputadas eram principalmente em estrada e em pista.

No inicio dos anos oitenta, a trabalhar de dia e a estudar à noite, começou a escassear o tempo necessário para continuar a praticar o meu desporto preferido desde sempre...tentei durante algum tempo conciliar o treino, o trabalho e os estudos, treinando às seis da manhã, a que se seguia o dia de trabalho e os estudos nocturnos…mas tive que decidir e decidi…parar com os treinos.
Durante aproximadamente vinte anos sem nunca ter deixado totalmente de correr, as participações em provas contam-se pelos dedos de uma única mão e salvo erro a última terá sido uma Corrida da Liberdade organizada na noite de 24 de Abril de 1986, com partida no Bairro do Matadouro e com chegada no largo do tribunal em Almada. Fiz essa prova na companhia do meu “primo” Sousa.
(Continua)

2 comentários:

Rui disse...

Caro António

Encontrei estas palavras por acaso na net. Representei o São Paulo de Almada nessa mesma epóca, e convivi na altura com O Mariano Caritas, o Horta, o Jose João,os irmãos Duque e claro os irmãos Pinto Claro. Cheguei a ganhar, em 1980, uma corrida noturna (não sei em que data)que acabava no largo do tribunal.Também cheguei a treinar com O Cavalheiro Marques e com Madeira.Representei o São Paulo de Almada, o CDUL e o Ginásio Clube do Sul. O meu nome é Rui Baptista. Relembra-me quem tu eras. Telemóvel 964464408

António Almeida disse...

Resposta ao Rui Baptista:

de certeza que nos cruzámos por essa altura, eu não era conhecido como António Almeida, mas sim pelo meu outro nome próprio "Fernando".