Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



quinta-feira, 30 de abril de 2009

Tanto Mar.

A canção “Tanto Mar” foi escrita por Chico Buarque e falava da Revolução dos Cravos que em 25 de Abril de 1974 derrubou a ditadura salazarista existente até então em Portugal e expressava igualmente a vontade dos brasileiros em também terem o seu 25 de Abril.
A canção foi proibida no Brasil e apenas ouvida em versão instrumental sendo apenas editada em Portugal.

Tanto Mar (primeira versão, 1975)

Sei que estás em festa, pá
Fico contente
E enquanto estou ausente
Guarda um cravo para mim

Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente
E colher pessoalmente
Uma flor do teu jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim


Mais tarde, em 1978, quando a canção foi liberada pela censura já a revolução portuguesa havia tomado outros caminhos motivo pelo qual Chico Buarque achou que caberiam na mesma outros versos e a versão gravada e sobejamente conhecida (em especial no Brasil) é a segunda versão de “Tanto Mar”.

Tanto Mar (segunda versão, 1978)

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
E inda guardo, renitente
Um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto do jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Canta a primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim

Nota) Dedico este post aos companheiros da blogosfera do país irmão que acabaram por terem também o seu 25 de Abril...viva a Liberdade.

3 comentários:

Fernando Andrade. disse...

Eu também me junto à Festa, pá
Da boa gente,
E assim, desportivamente,
Ter mais amigos p’ra mim

Ricardo Hoffmann disse...

Bravo!! Sou fã do Chico tb! Não sabia da história dessa canção. Sempre tocamos ela nas festas da família.

António Almeida disse...

Fernando e Ricardo
obrigado pelas palavras, pá
fiquei contente

Abraço aos dois