Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



domingo, 15 de maio de 2011

101 km de Ronda 2011 (2ª parte).

O dia da prova (até Setenil de las Bodegas).

Não terei demorado muito tempo a adormecer, também não terei demorado muito a acordar, num pavilhão cheio de pessoas era inevitável que os "roncadores" se fizessem ouvir e bem, dispensável de todo para mim era que "o" roncador me tivesse calhado na rifa.
Foi pois uma noite muito mal dormida, ainda assim terei conseguido dormir uns três a quatro horas.
Levantei-me às 6 horas numa altura em que quase todos dormiam ainda, tratei de ir fazer a minha higiene pessoal, bebi depois um café e comi um donut.
Pouco depois das sete da manhã o toque da corneta acordava os que aquela hora ainda dormiam, a Vitória essa resistiu.
Ficámos ainda cerca de 2 horas no pavilhão, depois foi tempo de rumarmos à zona de partida, tempo para algumas fotos.

Despedi-me depois da Isabel e da Vitória e segui na companhia do Luís Mota para o interior do estádio onde foi dada a partida da prova, iniciou-se então uma longa espera de quase de hora e meia, pouco depois começou a chover, nem eu nem o Mota tínhamos previsto a chuva e não tínhamos impermeáveis, íamos comentando que tinha sido em erro crasso o nosso, íamos também fazendo figas para que a chuva não se quisesse associar à festa. Foi um tempo de espera que acabou por se revelar bem divertido, por volta das 10 horas e uma vintena de minutos ouviram-se as palavras do Alcaide de Ronda e depois do general Chefe da Brigada da Legião, após as quais deram-se vivas e quase de imediato era dada a partida da prova de BTT e de duatlo, um desfilar de milhares de bicicletas que durou larguíssimos minutos.
Por fim foi tempo dos corredores se posicionarem na zona antes ocupada pelas bicicletas, tempo ainda para mais algumas fotos, para procurar a companhia do "Expresso Lusitano", para em plena pista do estádio comer alguns bolos secos que tinha levado comigo. Acenava de vez em quando para a Isabel que estava com os outros acompanhantes na bancada do estádio.
Às 11 horas foi dada a partida numa altura em que já tinha deixado de chover, acenei uma última vez para a Isabel e pouco depois saí do estádio ainda no rasto do "Expresso Lusitano" ainda num pelotão muito compacto e que assim se manteve até à passagem do 1º quilómetro, a fase inicial da prova foi sensacional, muitas pessoas nas ruas, muitos incentivos, muita festa…
Os primeiros quilómetros foram feitos ainda no interior de Ronda e a descerem, seguiu-se depois uma fase corrida em estradão, na zona do 1º abastecimento (água) foram poucos os que pararam, pouco depois a 1ª subida digna desse nome, de imediato tal como tinha delineado passei a caminhar, na fase seguinte à subida avistei o "Expresso", não forcei e aos poucos foram-me de novo ganhando avanço.
Cheguei à zona do 2º abastecimento no quilómetro 10 com 1 hora e quase 10 minutos, como tinha delineado tinha começado bem lento, tempo de um copo de isotónico e de encher a garrafa que me acompanhou durante toda a prova, também de comer 2 ou 3 quartos de laranja.
Continuei a não forçar nos quilómetros que me levaram ao 3º abastecimento, procedimentos quase a papel químico do que fiz no 2º, pouco depois mais uma subida, mais uma vez passei a caminhar, aproveitei para comer alguns amendoins com sal (perco sempre muito sal e tive particular atenção a esse aspecto), nessa fase começaram a passar em sentido oposto os primeiros classificados, o Mota em 2º, o João Faustino em 3º, o Eduardo em 9º ou 10º (não estou bem certo), eram muito boas posições as destes 3 companheiros portugueses, peguei no telemóvel e liguei para a Isabel para dar essas boas novas.
Pouco depois terminava a subida e de imediato passei a correr, o que fiz na quase totalidade nos quilómetros seguintes e que me levaram até à zona do abastecimento onde havia comida (sandes, donuts, coca-cola), pelo meio já tinha ficado para trás um outro ponto de abastecimento e também zona de controlo.
Nessa zona do 5º abastecimento (Navetas) ainda por lá estava o "Expresso Lusitano", troquei algumas palavras com eles, procurei depois uma sombra para ajeitar as meias já que vinha a sentir algum incómodo.
Nesse tempo continuaram a passar muitos participantes, a maioria seguia a passo comendo os alimentos fornecidos no abastecimento.
Eu após alguns breves minutos de paragem retomei o passo de corrida e comecei a passar muito desses companheiros que seguiam a passo, nos quilómetros seguintes foi a minha vez de me cruzar com os participantes que faziam o troço de percurso também já por mim feito uns quilómetros antes.
Até aproximadamente ao quilómetro 34 o percurso foi extremamente fácil, praticamente foi sempre a descer, nessa fase passei pela grande Célia Azenha (fez uma prova espectacular) e transmiti-lhe o meu incentivo, passei também pela equipa portuguesa do Millenium BCP, troquei algumas palavras com o Alcides, desejei uma boa prova para a equipa, passei também por uma povoação (Arriate? Penso que sim…) com muita gente nas ruas.
Seguiu-se depois uma longa subida na zona da Sierra de las Salinas, caminhei em toda a extensão da mesma embora nessa fase conseguisse manter a caminhar um ritmo forte de progressão que me ia permitindo ultrapassar vários participantes, ainda na fase inicial dessa subida encostei ao "Expresso Lusitano" numa altura em que estava com 4 horas de prova e 35 quilómetros efectuados, altura também de mais uma vez ligar à Isabel e fazer o ponto da situação.
Já com mais de metade dessa dura subida efectuada fui assolado por um ataque de espirros, o qual se manteve nos quilómetros seguintes, nessa fase comecei a desesperar pois tal nunca me tinha acontecido durante uma prova.
Cheguei a mais um abastecimento (o 8º, Cortijo Del Polear), também ponto de controlo, continuava a espirrar…
A fase imediatamente seguinte foi por uns estradões largos e ligeiramente a descerem, estradões que continuaram ainda depois durante largos quilómetros mas já praticamente planos.
Eu continuei sempre a passar muitos companheiros apesar de não seguir muito rápido, o que comprovei à passagem das 5 horas de prova (4 horas da tarde) em que estava com 42 quilómetros feitos, ainda assim entre a 4ª e a 5ª hora tinha progredido 7 quilómetros, muitos dos quais os da dura subida iniciada ao km 34.
Pensei então que era certo que chegaria a Setenil de las Bodegas antes das 18 horas, tinha ficado combinado que as acompanhantes dos participantes que tinham viajado no autocarro do "Mundo da Corrida" se deslocariam para esse ponto e ai permaneceriam até por volta das 18 horas.
Nos quilómetros seguintes continuei num ritmo bem confortável que se manteve sensivelmente até Alcalá Del Valle (10º ponto de abastecimento e de mais um controlo), logo depois uma curta mas duríssima subida que como as demais foi por mim feita a caminhar, retomei depois o passo de corrida e na ânsia de chegar a Setenil forcei depois um pouco nos quilómetros seguintes se bem que fosse mais que certo que lá chegaria bem antes das 18 horas, foi uma bela visão a de Setenil, pouco depois corria nas suas ruas, comecei a ouvir a festa portuguesa que a nossa claque ia fazendo, Setenil tem uma beleza que naquela tarde não me deixou de fascinar, muitas casa embutidas nas rochas, já bem perto da claque alcancei o Luis Miguel (Tigre), vi a Vitória, continuei a correr até junto dela, abracei-a, um misto de sensações, procurei depois a Isabel, fiz a festa com o resto da claque.Bebi depois a imperial que me esperava, tempo também para mais uma vez ver o estado dos pés (tudo ok), nesse tempo continuaram a passar muitos participantes, alguns que tinha passado nos últimos quilómetros. Pouco depois tempo de me despedir da Isabel e da Vitória, segui em ritmo rápido pois sabia que o abastecimento estava a menos de um quilómetro e onde cheguei em menos de nada, fui buscar uma sandes e um copo de coca-cola, enchi a garrafa de água, bebi mais um copo de coca-cola, procurei depois o local de saída, recomecei a correr, pouco tempo depois deixava Setenil.
[continua]

4 comentários:

CORRIDA SEM LIMITES disse...

Parabéns!!!
Loucura,loucura de corredor que ama corrida,não tem coisa melhor que participar de um desafio. Amo correr e quando participo de uma corrida que tem muito desafio eu falo loucura ,loucura de corredor viciado.
Boa semana.
Cris

ana paula pinto disse...

Nem sei que que dizer...

Mas vou continuar a acompanhar a Ronda.
Nem imagino sequer o que será correr mais 100Km! Loucura total é correr 101! :-)))

Até cansa tentar imaginar...

(parabéns:-) e que "feito" alcançar os objectivos propostos! (até superar)


Grandes beijinhos para todos

(e a Vitória tem-se portado bem a comer?)

João Paixão disse...

Parabéns, António.
És Grande!

Joka disse...

Ultra parabéns guerreiro !!!!!!!!